PUTA QUE PARIU EU TO MUITO PUTO

Querem matar o poeta
eu to esperto,
sai tanta coisa da sua boca
quanto do seu reto
Eu curto os dialeto
muito além só do
Português correto
pra minha Revo-Evolução
Vou ter que ser mais discreto

Eles não veem
A válvula de escape
O cão não late
mas morde que é uma beleza
só disso tenho certeza
Imagina se eu parar de escrever
O único Escape que vai ter
é o da fuga da cadeia

Puta que pariu to mais 
puto do que qualquer 
ditador ao perder seu Império
falo sério

Minha raiva vira rap 
R.A.P
Deixa eu ir embora 
Caralho
Eu sei o quanto falho
agora quanto valho?
HAHA
To tendo que descobrir
ao me desperdiçar 
Dispersado 
Aloprado e regalando
Minhas cagadas

Caralho to vendo que to crescendo 
Voltei a subir a escada
E a cada degrau na calada 
analisando os passos em falso
os falsos sábios, os sabiás 
a deus dará, tudo depende de mim?

A psicografia do meu sub-consciente 
Subversiva mais conclusiva 
cansei de minhas praticas Aversivas 
Suicidas e psicoativas 
Cansei da deriva

To calando a boca demais 
as coisas tão ficando pra trás 
e to deixando passar
as vezes falo mais do que devo 
mas eles que devem mais 
Preciso tomar coragem 
pra mandar todo mundo cagar 
Vatomanocu tia valquiria 
ainda bem que nunca quis uma arma na virilha 
eu sei que ia fazer merda algum dia 
mas que seja eu sozinho 
meu caminho
meus erros eu colho 
sem reclamar 
Não quero Nenhum Puto
Na cabeça pra pesar 
Pode ser quem for 
Se você não me deve nada
Não precisa pagar o que reclama 
Quando eu tiver na lama, Na-Na-Na
Não vai acontecer,
Pai, reza pra dar certo mais rápido
porquê atrasa lado no mundo já tem de monte

Mas OK OK,
Vou mostrar minha melhor face 
Aquela que renasce a cada momento
Sem relento, Só pensamentos 
O Homem Sniper volta a parada 
No Disgrace, MORE
Aqui é tudo ou nada,
não tudo por nada 
se nada quer fazer
e não quer somar
não vou cobrar a diferença 
Amo quem me dá amor,
mesmo quando não percebo ele
Ou não quero ver 
Mais vou falar pra você
a dor mostrar mais
Mais não se acostume a ela
é uma bosta essa merda

Pronto parei, xinguei o suficiente 
Expressão no expressionismo 
Mostra meu lado delinquente 
Hoje minha mente não atua 
e nem mente 
ta aturando as farpas 
dos sonhos indigentes

Eu já sabia,
que ia terminar assim, mas não vai
Todo fim é um começo esquece abistrai
Distrai, faz e se refaz mas não destrói
o que construo desde lá de trás
é a edificação, o que seria da nação 
se soubesse fazer isso, olhar pra você mesmo
e firmar um novo compromisso
de mudar e não ser mais só omisso 
as vontades mundanas, que quando mais
analiso mais vejo insanas 
e diluidoras do carácter 
Desde de filosofia, matemática
ás praticas holísticas venho me alimentando
de novas verdades falsidades novamente
Idealizadas
Estagnadas na minha cabeça
Minhas incertezas na tentativa de resolve-las
Mais alimento-as 
Mais, mais, mais, Mas porquê tem que ser assim 
já sei, to só colhendo minha colheita 
Esticando minha existência 
pra que alguma coisa seja feita 
E nessas letras vou mostrando
minhas evoluções, as razões e desventuras 
As aventuras do aventureiro coordenado pelas emoções 
To cansado…..
entre canções e desilusões

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.