Marcador

De dentro do ônibus

Se vê através do vidro

O tempo

Do quadrado, da moldura, do espaço

O tempo corre

Espaço tempo distorcido pela velocidade viciante

O espaço escorre das horas, dos dias

Em séculos passados e presentes

Através de minutos vividos pelo campo metafísico

Mede-se o tempo em milímetros visto de dentro do carro

De fora o tempo anda

Desenrola-se por espaços abertos e compactos

O tempo voa e desliza, sobrepõe o dia e a noite

Ele para, o tempo e o ônibus

O relojoeiro se levanta, olha para cima e vê o tempo

Vai chover

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Leo Nunes’s story.