A vida é simples o Homem é que a complica.


Photo by Wilson Sánchez

Quando pensamos nesta frase e o que representa vem-nos à cabeça outra frase, “falar é fácil, difícil é fazer”.

Claro que é difícil, existem demasiados desafios e pressões que a sociedade nos imputa diariamente, começando na vida familiar, onde temos que ser um exemplo daquilo que os nossos pais projectaram para o nosso futuro.

Na escola, além do sucesso nos estudos, ainda temos que lidar com o facto de que temos que ser populares, craques no desporto e não ser o “nerd”, ou sofrer bullying.

No trabalho, onde temos que ser bem sucedidos, intelectuais e admirados pelos colegas e familiares.

Toda esta pressão tem tendência a ser negativa na nossa vida, porque coloca as expectativas demasiado altas e quando não conseguimos atingir esses objectivos sentimo-nos frustados, desiludidos e até incapazes.

O que tu tens que pensar é que esses objectivos não foram colocados por ti, mas sim pela sociedade global, pelo capitalismo, temos que ser nós a decidir o nosso destino e assumir as consequências dos nossos actos, sem ressentimentos ou frustrações, a pressão é colocada por ti mediante a tua capacidade e objectivos, e não aquilo que a sociedade quer que tu faças ou pareças ser.

Deixando o drama de lado gostaria de partilhar convosco algumas ideias ou “processos” como lhes chamo, para simplificar o teu dia a dia, ou facilitar tomadas de decisões e tarefas.


1. Criar listas

Cria listas de tarefas para tudo, se ganhares este hábito podes ter a certeza que vai simplificar a tua vida. Quer seja para fazer as compras, preparar a semana de trabalho, ou simples tarefas que tens que fazer em casa. Mas como disse anteriormente tem que ser uma acção natural, não pode ser um grande esforço, até se tornar um hábito, desta forma não vais ter o stress de te esqueceres constantemente de fazer determinadas coisas. As listas devem ser curtas, e facilmente executáveis no tempo, devem ser anotadas em bloco de notas ou gadgets, nunca em folhas de papel soltas porque vais acabar por perdê-las.

Não deixes acumular tarefas para a outra semana, se tal acontecer a primeira coisa que deves fazer na semana seguinte é terminar essa tarefa. Como diz o ditado e bem, “não deixes para amanhã o que podes fazer hoje”.


2. Organização e gestão do tempo

Ser organizado pode parecer que vai dar muito trabalho, mas na verdade vai fazer com que tenhas mais tempo para fazeres outras coisas.

Por exemplo se deixares a secretária do teu trabalho organizada quando saíres do trabalho, quando chegares no dia seguinte o sentimento de satisfação vai fazer com que comeces o dia com um sorriso.

Não devemos acumular coisas simples de ser solucionadas. Classificar prioridades tem que ser prioritário.

  • Calendarizar reuniões.
  • Organizar emails em pasta.
  • Estabelecer datas de pagamentos de facturas.
  • Manter sempre tudo arrumado.
  • Colocar as coisas sempre nos mesmo sítios.
  • Gerir interrupções.
  • Atitude construtiva.

Todos estes exemplos irão tornar-nos pró-ativos, focalizando-nos no essencial.


3. Não te enganes a ti próprio

Este ponto para mim é o mais importante de todos, o ser humano tem a capacidade de enganar os outros e de se enganar a si mesmo.
Muitas das vezes na nossa vida estamos perante situações em que não queremos admitir aquilo que somos, ou a verdadeira capacidade para fazer determinadas coisas. 
Para nos sentirmos sempre bem e confortáveis connosco, devemos conhecer-nos e ser verdadeiros.

Faz o seguinte exercício, após qualquer acontecimento (e.g. discutir com alguém, praticar um desporto colectivo, etc.), analisa de forma consciente a tua prestação e vais reparar que se calhar não tinhas razão na discussão, que afinal o teu colega é melhor jogador do que tu. Então porquê continuares a insistires numa mentira? O problema é que o Ego não é completamente consciente, os mecanismos de defesa fazem parte de um nível inconsciente, muitos dos nossos pensamentos são reações primitivas e inconscientes.

Resumindo, eu acredito que se formos conscientes em tudo o que fazemos, ganhamos uma capacidade maior de perceber a relação entre si e um ambiente. Se de cada vez que fizermos determinada acção pensarmos no impacto que terá na outra pessoa como se fosse dirigida a nós, não faríamos tanta asneira, não deixaríamos ninguém à espera 30 minutos porque sim, nem seriamos arrogantes sem motivo. Nós somos aquilo que fazemos.

Não façais aos outros aquilo que não quereis que vos façam .— Confúcio

4. Less is more

Ludwig Mies van der Rohe arquitecto alemão proferiu a seguinte frase “less is more”, nada mais verdadeiro. 
Temos a tendência a colocar as expectativas demasiados altas, quer a nível pessoal como profissional, devemos estabelecer metas razoáveis e ir aumentando conforme se vai atingindo os objectivos, não é positivo viver na frustração de não conseguir, todos necessitamos de vitórias por mais pequenas que sejam.

Como por exemplo, se queremos fazer algum tipo de desporto como correr, em vez de dizer que vou correr 1 hora, 4 vezes por semana, porque não começar por correr 20 minutos duas vezes por semana? Quando te sentires confortável com este ritmo passas para 30 minutos, 3 vezes por semana, desta forma, sem grande sacrifício vais perceber que se tornou um hábito e não uma obrigação. O mesmo se aplica a tudo na nossa vida no dia a dia, sempre que queremos comprar alguma coisa, viajar, construir uma casa, fazer um negócio ou uma ideia de produto. Define metas realistas na tua vida, a curto, a médio e a longo prazo, quer a nível pessoal como profissional. Se alguém te disser que o céu é o limite, responde que não queres ser astronauta.

Mais um vez a ideia é simplificar e adaptar as nossas características aos nossos objectivos de vida, sem que represente um esforço que não vamos ser capazes de ultrapassar.

Navalha de Ockham

William of Ockham

O filósofo inglês William de Ockham foi o criador da teoria da Navalha de Ockham. “O princípio afirma que a explicação para qualquer fenómeno deve assumir apenas as premissas estritamente necessárias à explicação do mesmo e eliminar todas as que não causariam qualquer diferença aparente nas predições da hipótese ou teoria.”

“Pluralitas non est ponenda sine neccesitate”

Simplificando, Ockham diz que entre duas teorias ou mais que explicam igualmente os mesmos factos, a mais simples é a mais correta. Por outras palavras, se uma explicação simples basta, não há necessidade de elaborar outras mais complicadas.

Ou seja, é inútil fazer com mais o que pode ser feito com menos.


5. Hábitos e rotinas

Uma das melhores formas de simplificar a nossa vida é criando hábitos. Podemos afirmar categoricamente que sem hábitos instituídos, a nossa vida seria um caos, acabaríamos por demorar demasiado tempo a tomar decisões e consequentemente não agiríamos em tempo útil.

Deves definir quais são os hábitos mais importantes e trabalhar para os implementar e manter. Listo aqui alguns que julgo essenciais:

  • Exercício físico.
  • Pensamento positivo
  • Eliminar o que não é essencial
  • Generosidade
  • Dormir bem
  • Organização

Criar uma rotina diária, irá fazer uma grande diferença na tua vida. As rotinas são importantes para implementar hábitos, pessoais ou profissionais, também contribuem para ajudá-lo a concentrar-se naquilo que é realmente importante e não apenas nas coisas que surgem inesperadamente. Vão ajudá-lo a certificar-se que faz tudo o que pretende, da melhor forma possível, todos os dias.


Com este artigo pretendo apenas mostrar a minha opinião sobre este tema e mostrar como eu lido com as situações no meu dia a dia. Acho que podemos sempre fazer melhor.

P.S. O título deste artigo foi inspirado no meu sogro que diz esta frase constantemente.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.