Tive outro ataque de pânico. Mas tudo vai ficar bem
Gael Rodrigues
13210

Eu vivi uma experiência de pânico exatamente há 2 anos, eu entrando no retorno de saturno, aquela coisa, 29 anos, as principais questões da vida voltando em vórtice dos escombros da infância para este momento de face-a-face com a “realidade”. E agora? Trintão? O que vc fez? O que vai fazer agora? Tá rico, ta pobre, solteiro, casado, com filhos, bem sucedido, falido? Começou com uma tonteira que logo se desenvolvia pra falta de ar e pronto: estava instaurado. Decidi não tomar remédio, preferi fazer terapia e ter um rivotril pra SOS de vez em quando. Só tive por 3 meses. Até começar a lidar com questões que antes estavam escondidas e vieram à tona na terapia. Descobri que nunca vou conseguir controlar tudo e inclusive coisas que estão dentro de mim. Estes “amigos” ocultos, como vc descreveu. A minha forma de lidar com as ataques era debochando deles. Vinha a tonteira e eu pensava: “Então, ta. Vou cair? E daí? não vou passar do chão. Se eu bater com a cabeça, foda-se”! E o simples fato de não ter medo de ter pânico fez com que esse visitante não desse mais as caras. Só que ele deixou uma lembrancinha chamada insônia. Mas aí é outra história.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.