Televisão e humor (ou a falta dele)

Marcelo Adnet estreou seu novo programa na televisão, ou melhor, o seu novo programa na Rede Globo de televisão. O programa do humorista e apresentador ocupa um horário nobre da televisão: a noite de quinta-feira, e utiliza o formato de late show, assim como os de Danilo Gentili, no SBT e tantos outros. Entretanto, como o próprio Adnet já havia dito em entrevistas antes da estreia do programa, é diferente dos demaiss, mas não o suficiente para (me) agradar.

Ok, o programa não é 100% igual aos outros talk shows existentes por aí, o programa foi totalmente focado no narrador Galvão Bueno, que foi colocado em situações não muito comuns. Como sempre, teve quadros musicais com o Adnet, o que já é característico dos programas dele — e que eu não irei opinar pelo fato de eu não gostar deles. Tentaram trazer, assim como acontecia bastante quando Adnet estava na MTV, alguns elementos da internet — provavelmente numa tentativa de “quebrar a internet” que nem o programa Tá No Ar. Infelizmente, não foi o suficiente.

Eu não ri durante o programa, achei tudo meio sem sentido, sem propósito. Não houve muita entrevista, não houve novidade, só teve o Galvão. E apenas o Galvão. E situações com o Galvão. E, na internet, as opiniões pareciam divididas também. Enquanto uns dividiam a mesmo opinião que eu — de não entender o propósito — outros pareciam bastante exaltados e pareciam estar adorando o programa. Para mim, não passou de uma mistura de talk show com o Tudo Pela Audiência do Multishow, ou seja, uma tentativa de misturas no horário nobre que não acrescentou e não entreter tanto assim.

Não sei exatamente do que, mas senti falta. Acho que senti falta do humor, sinto falta do que eu sentia com a antiga MTV. Não só no Adnight, acho que falta bastante disso em toda a televisão brasileira ultimamente. O programa que eu achava genial, Tá No Ar, claramente espelhado no Comédia MTV, já me decepcionou na última temporada. Foi boa, mas não foi tudo aquilo. Dou mais risada com os programas de viagem da Titi Müller, no Multishow, ou com o Amor & Sexo, da Fernanda Lima, do que com os programas de entretenimento que existem atualmente.

A televisão e o humor vêm se reconfigurando hoje em dia. É só pegar qualquer programa humorístico de antigamente e assistir — existem vários na internet — para ver que não se sente a mesma graça. Comigo é assim, pelo menos. Comigo, eu fico sempre lembrando da antiga MTV, onde o Adnet, Dani Calabresa, Tatá Werneck, Paulinho Serra e o resto da trupe faziam diversos programa e todos conseguiam ser bons. Desde o telejornal Furo MTV até o programa de trotes Trolalá, todos eram motivo para gargalhar bastante. Todos eram motivo para virar comentários na internet. Nos dias atuais, todos seriam motivo para virar gifs e memes. Mas isso tudo parece que foi perdido.

Iludido, eu, fico pensando que, um dia, isso vai voltar para a televisão. Acho que falta isso. A televisão tem que dar um jeito de conversar com a internet, isso já ficou bem claro. O meio de conversar com a internet, entretanto, parece ser com o único objetivo de “quebrar a internet”, de mesclar conteúdos da web com a televisão. Mas isso está dando certo? Será que todo o programa assim vai dar certo? Tem muito humor melhor na internet, canais no YouTube, e humor com crítica social. Mas falta isso na televisão. Falta um improviso, faltam esquetes (programas de esquetes, só sobrou o Tá no Ar ou estou errado?), faltam personagens.

Assim como não sei o que faltou no Adnight, eu não sei o que falta na televisão e no humor. Só sei que falta.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Leonardo Stürmer’s story.