Uma das notícias com a intervenção das crianças portuguesas

E se as crianças pudessem mudar as notícias do mundo?

Como seria um mundo com a intervenção das crianças? Se elas pudessem mudar as manchetes dos jornais e levar sua sensibilidade, o que ocorreria? Parece filme, mas não é! Acredite, isso aconteceu de verdade!. O aniversário de um grande jornal de Portugal estampou nas suas páginas fotos um pouco… diferentes! O editor convidado foi o cineasta Miguel Gomes, que teve a ideia de mudar um pouco o mundo das notícia. Na edição comemorativa, todas as fotografias só seriam publicadas depois de pintadas por crianças. Exatamente isso! Cinquenta crianças de uma escola primária portuguesa pegaram as fotos sisudas do periódico e jogaram muitas cores, colocando bigodes, nuvens, sol, estrelas, borboletas e o que a imaginação permitisse.

Miguel Gomes comandando o trabalho com as crianças-editoras do jornal

A proposta não terminava aí! Doze convidados teriam que inventar um texto como continuação de notícias reais. A ideia surgiu da pergunta “O que fica pensando o leitor, depois de ler uma notícia?"

A ideia é, por um dia, fazer-nos sair a todos, jornalistas e leitores, da nossa zona de conforto feita de rotinas e hábitos. Miguel Gomes, cineasta

Pois em um jornal, ficção e realidade se misturaram e o leitor vai ter que ter olho novo para percorrer as páginas do jornal e ver se existe verdade, realidade ou pura invenção! Miguel, o editor, se diverte e escreve no editorial “A ideia é, por um dia, fazer-nos “sair a todos, jornalistas e leitores, da nossa zona de conforto feita de rotinas e hábitos. Tenho consciência de que incluir ficção num jornal ‘sério’ é algo tão pouco normal — e aparentemente sacrílego — que nos obriga a voltar a olhar fronteiras, zonas de contacto e dimensão ética desta coisa tão complexa de informar e de imaginar, de saber o que se passou e de especular sobre o que vai (ou não) se passar. Coisas diferentes umas das outras, mas que se alimentam e vão de par em par.”

Show your support

Clapping shows how much you appreciated LER’s story.