Como é que eu me tornei feminista radical?
Ísis Leocádio Ruiz
1K12

Adorei o texto! Passei pelo mesmo processo: comecei como feminista intersec e hoje me considero radical (mas por ser negra, não descarto o feminismo negro). Tenho amigos e amigas trans e, sinceramente, não discuto essa questão com eles. Na verdade, hoje eu discuto essa questão com pouquíssimas pessoas, no máximo amigas com quem eu sinto liberdade pra ter uma discussão saudável. Tb acredito que o feminismo rad é atacado por falta de informação mas, principalmente, por ser revolucionário de fato. Enfim, só queria dizer que gostei muito mesmo do texto. Sucesso, Ísis!