Até quando?

Sim, é sobre você

Como uma música pode trazer a tona tudo que me parecia não estar mais aqui? Retomar um sentimento que na minha mente não se passava mais. Cada palavra toca uma ferida deixada com sua partida, com sua volta, com nossa vivencia, nossa partida, nossos dias, momentos, encontros, desencontros, idas, voltas, não vindas, eventos, atrasos, acasos.

“Eu não sei enlouqueci ou se foi você / Vou fingir que eu esqueci pra eu não te responder”

Esse desinteresse é tão cruel. É vai ou fica. Não quero migalhas. Vou fingir pra fugir.

“Ouvi dizer que o nosso fim ficou mal resolvido pra você/ Logo pra mim que resolvi pra sobreviver”

Como tem fim algo que não teve nem começo? Se resolver consigo mesmx e aceitar que nunca deu certo a única solução.

“Mas o seu pensamento continua me atraindo pra você/ E o meu pensamento continua te atraindo sem querer”

Eu não olho mais para sua rua ao passar por ela, mas e você? Porque esta passando por aqui sem nenhum motivo?

Até quando? Até quando? Até quando?

“Agora eu sei, enlouqueci junto com você/ Fingindo amizade só pra não esquecer”

I’m running away

“E seu amor te espera calma, e você/ Não para de me observar sem saber porquê”

Eu vi aqueles olhares. Eu não vi a passadinha na rua, mas você sabe que outras pessoas viram, e me diz, o que tu quer com isso?

“É quando o seu pensamento continua me atraindo pra você/ E o meu pensamento continua me traindo sem querer”

Eu segui, mas cada acontecimento forjado por seu pensamento, leva de volta meus pensamentos à ti

Até quando? Até quando? Até quando?

“Talvez o universo queira nos falar/ Um pedaço de você não possa me largar”

Tu seguiu? Mas e o universo? Seguiu mesmo?

“E nós dois somos estranhos e é estranho pensar/ Estranho lembrar seu nome sem me culpar”

É bizarro falar de ti e não sentir o coração pulsar

“Talvez seu pensamento venha pra curar/ A desculpa que você nunca soube me dar”

Lembrar de ti me trás a tona todas as vezes que já tentei, e suas desculpas nunca souberam justificar aquele “por enquanto não”

“Mas desculpa, não preciso mais, nem tenho mais dor/Você foi meu mais difícil exemplo de amor”

To de boa, mas por favor, não tente fazer eu pensar. Foi difícil superar, mas eu segui

“Talvez seja melhor que a gente nunca mais se viu/ Sua pele na minha pele, era certo, era arrepio”

To indo embora, não me procure

“A vontade não passava mesmo quando acabou/ Nunca foi por isso que a gente terminou”

Era uma troca de olhares pra sair faísca, mas isso não foi nada. Talvez seja tudo.

E é por isso que eu lembro

Até quando? Até quando?