Rupturas na infância – parte 3!

Essa semana Igor começou seu período letivo. Quando o levei até a sala, levei um susto! Parecia turma de oitava série! Meninos maiores que meu marido, garotas maquiadas, com corpo feito, não eram crianças de 12 anos! Com certeza lá só tinha pessoas acima de 16! Eu e Igor na fila destoávamos do restante pelo tamanho. Olhei para uma moça e disse, assustada! Meu Deus, só tem ele de criança!

E justo porque eu tinha falado que na escola ele faria novos amigos. Quando estava saindo, entra enfim um do tamanho dele, e eu falei: filho, faz amizade com ele pois é o único da sua idade!

E sai de lá bem preocupada! Algumas pessoas falando mal dos alunos que frequentam e que o melhor mesmo era ele “não se misturar”. Depois me toquei que já em sua antiga escola ele não tinha muitos amigos, tinha vindo de uma escola particular e não que tenha chegado a sofrer bullying mas a panelinha já estava formada e os mais populares faziam questão de o excluir. Ele tinha um amigo, que foi embora no meio do ano passado, então ele ficava hora com uns , hora com outros, mas amigos mesmo, tinham ido no ano anterior para uma escola particular, o trio Igor- David- Luiz, havia se desfeito, pois David e Luiz mudaram de escola e ele ficou sozinho na quinta série. Seus trabalhos eram feitos comigo, ou se era em grupo, eu nunca ficava sabendo. Nenhum deles frequentou nossa casa e mesmo os que eu conhecia já de anos, às vezes nem o cumprimentavam quando ele passava na rua. As meninas já eram mais chegadas, ele sempre muito bonito, mas muito na dele. Bom, esta é a leitura que eu faço, a pro dizia que ele era querido lá dentro e nunca teve problemas em se relacionar. Mas amigo como eram o Davi e o Luiz, eu nunca ouvi ele mencionar. Mas no Jiu ele tinha o Gabriel, como mencionei nos posts anteriores. Passaram um ano sendo inseparáveis. Igor sentiu muito a mudança por conta do Gabi e do quanto se davam bem. Passaram- se 3 meses. Igor fez novos amigos, alguns na praia, um filho de um amigo meu, mas nenhum como o Gabi. E neste tempo eles não se comunicaram, pois Gabi ainda é mais tímido do que o Igor. Seus pais trabalham muito e ele fica muito sozinho. Qdo via a foto do Jiu sem o Igor ao lado do Gabi, apertava meu coração, mas ninguém nunca mencionou nada, e a vida foi levando. Eis que num sábado, Gabi me chama no messenger. Pergunta como esta tudo e diz que tem saudades de brincar com o Igor e nos fins de semana ele nunca tem ninguém para brincar. Pediu para falar com o Igor no fone. A felicidade do Igor em ver que o Gabi não o tinha esquecido, é algo que nunca vou esquecer. Acho que foi um dos dias mais felizes da vida dele. O telefone não deu muito certo, contei que tinha comprado para ele o. Jogo que eles gostavam de jogar, eles se encontram on-line e agora passam todo o fim de semana jogando e conversando.

E eh como se estivessem juntos novamente.

Graças à tecnologia. Graças a esta palavra “amizade”, que, como eu disse para ele, quem gosta realmente de você, não te esquece e nem te substitui. Quando a saudade bateu, ele veio atras e a primeira coisa que Igor falou foi: – Como você está, amigão?!

Estão lá, agora, jogando e conversando!

A amizade de verdade não se rompe!

Foi sua primeira grande lição!

Eu não sabia que Igor sentia tanto assim a falta do Gabi. E muito menos de que o Gabi sentia a falta do Igor. A alegria dos dois ao se encontrarem foi emocionante!

Rupturas? Não necessariamente! 💙