Cerebral


Ainda que poético

Apenas corpo.

Embora dance e se mova encantador

Mero, ordinário corpo.

No corpo se encerram todos os valores.

Mas é que os ossos cobiçam

O valor europeu da razão

E o elogio burguês ao crânio.

Os braços querem de repente

Desfigurar a cara

Do corpo que se mostra sem trava.

(É que a cara é bonita

E a raba dá tesão).

Nada há além do corpo

Mas dobras hábeis de cognição

E a escrita dos dedos

São desdobramentos de corpo.


Eles também podem ser charme de mulher.