Sinfonia em três

A terça parte da noite — Makalister Renton

Diferente de seu irmão mais velho o seis, ou seu primo não tão distante sete, o três não é um número cabalístico de porra nenhuma.

333 traz tanto medo a alguém quanto 000, num máximo ele consegue é uma piada ruim como “meio besta”. Mesmo no cinema ele é lastimável, “O Poderoso Chefão 3”, “De volta pro futuro 3”, “Homem de Ferro 3” todos essas grandes franquias em que a terceira parte se tornou uma mancha num currículo antes memorável. Ainda assim essa obscenidade numérica, aparentemente sem importância, se tornou parte indivisível da minha vida.

E como a sorte não sorri aos poetas, as três Carolinas que fazem parte dessa história estarão muito mais próximas de uma “tragédia em três atos” do que “a terceira é a boa”, mas sigo sem perder as esperanças de que trarão ao menos tanto aprendizado quanto os três fantasmas do natal passado.

A primeira delas, e talvez a mais importante, veio na juventude. Ainda no final da infância nos conhecemos durante uma viagem. Infelizmente por resultado da falta de iniciativa das duas partes acabou antes mesmo de começar, pelo menos era o que achávamos na época. Anos mais tarde, quando nos reencontramos, em juras de amor dissemos que jamais nos separaríamos novamente, mas as (in)diferenças entre nós eram muito mais fortes do que o desejo vazio e fugaz que sentíamos.

A segunda veio bem mais tarde. Moldado mais firmemente em meus conceitos e com diversas experiências na caçamba achando que agora daria certo. Também não deu, culpa clara dos desejos distintos que tínhamos sobre relacionamentos. Esse queria romances parisienses e cafés chiques em fim de tarde, aquela esperava por encontros casuais em ruas escuras com gosto de perigo.

A terceira apareceu quando eu não mais procurava. Chegou juntinha da melancolia da meia idade, diferente da adolescência onde ser emo é moda e sentir-se suicida acontece tão frequentemente quanto ficar com calor. Uma melancolia inspirada pela percepção de que nem tudo será como você deseja, nem mesmo sua vida, e que na maior parte do tempo as coisas acontecerão independente de suas escolhas. E como essas verdades, ela era difícil, mas valia o esforço. E como todas, não foi eterna. E como a terceira parte da noite crava em nós o sono, cravou a angústia, de estar sozinho.