Viver sem coração ou ter o coração e não viver?

Em março de 2011, Craig Lewis, se tornou o primeiro homem a viver sem o coração. Ele conseguiu sobreviver por 5 semanas (uma máquina o mantinha vivo). O coração de Lewis foi totalmente removido para que o dispositivo o mantivesse vivo. Antes da cirurgia, ele tinha apenas 12 horas de vida, segundo os médicos.

Talvez algumas pessoas estejam pensando: Mas só viveu 5 semanas?

O interessante nesta reflexão que estamos fazendo é que as 12 horas de vida se tornaram 5 semanas, ou seja, cerca de 840 horas. Podemos ver como a medicina está cada vez mais avançada, também podemos perceber que 1 minuto passa a ter valor para quem está com seu tempo contado. Outros pontos que podemos levantar através deste exemplo de superação:

1º) Temos valorizado nossa vida?

2º) Temos valorizado as pessoas que nos amam?

3º) Temos valorizado o tempo ou temos desperdiçado horas e horas de nossas vidas com programas inúteis ou falando mal da vida dos outros?

4º) Vivemos acreditando que daqui a 200 anos estaremos ainda vivos e por isso brigamos por razões fúteis?

5º) Por que no mesmo momento que há alguém lutando para sobreviver, há outras pessoas brigando por coisas supérfluas, tênis, herança, etc.?

Craig Lewis viveu literalmente sem coração mas estava vivo, infelizmente há pessoas que estão com o coração batendo mas vivem como se não o tivesse.