O impeachment é um fracasso brasileiro
Pedro Doria
1063

Entendo bem.

Eu também estaria me sentindo um fracassado se tivesse deixado de ver, por exemplo, que a derrota do PT nas eleições de 2014 estava com preço definido. Se não tivesse visto, por exemplo, que a base do governo estava dilacerada desde o momento da vitória, como mostrou a chegada de Aécio Neves ao Senado em outubro daquele ano, eu também acharia que isso é um fracasso brasileiro.

Se tivesse fechado os olhos inúmeras vezes para os interesses que estavam por trás da conspiração que levou Michel Temer ao poder, ou para a conspiração em si, se tivesse acreditado que tudo fazia parte de uma normalidade democrática, se tivesse imaginado que o país não estava dividido e que eu estava com os 90% que tinham razão, contra uma turba hostil de raivosos petistas (na época, “governistas”), eu também estaria me sentindo um fracassado. Se tivesse considerado que, enquanto o fisiologismo se refestelava distribuindo cargos para conquistar os dois terços da Câmara, o mais importante era a “autocrítica”, eu estaria me sentindo um fracassado.

Não estou, porém. O que fracassou foi a tentativa de passar pano de quem tinha todos os fundamentos para observar que o impeachment iria colocar a agenda derrotada nas urnas no poder, para perceber que uma parte da cúpula do PMDB tinha interesse na autopreservação, para observar que o fisiologismo estava ali, latente, em todos os momentos, e ainda assim brilhou os olhos com o verdeamarelo transmitido em rede nacional e achou que “a crise política é um sinal de que o Brasil vai bem”.

Eu também estaria me sentindo um fracassado se, ao final desse processo, visse que uma pessoa levou toda a chibata possível nas costas e encarou seus algozes de frente, com a cabeça erguida, e saiu do processo maior que entrou. O que fica, porém, é isso: os mártires estão aí, o sentimento de injustiça também, e não duvido que em breve a “esquerda ponderada”, “paz e amor”, seja peça de museu. O recado dado pelo Congresso Nacional é: não importa quantos sonhos você tenha, nós mandamos e fim. Quando a esperança vira desespero, acaba existindo a ruptura. Não foram poucas as pessoas que alertaram para isso lá no início do processo, quando tudo eram flores verde-amarelas de uma legitimidade democrática inconteste. Só que a semente da raiva está ali, e quem passou pano ajudou a germinar.

Eu não sei até que ponto é um fracasso brasileiro — acho que é o sucesso absoluto de um consenso fabricado. Quem acreditou no consenso talvez agora perceba que ele é um castelo de cartas, se veja obrigado a apoiar o governo de Michel Temer para manter a coerência, e se sinta um fracassado. Como eu nunca acreditei nesse consenso, não estou me sentindo um fracassado. Talvez isso mude amanhã.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.