Meu vívido paradoxo

Vivo há tempo demais.

Não há mais tempo para viver.

Amo demais.

E odeio amar.

Comprei cigarros.

Parei de fumar.

Tenho muita fome.

Mas já não como mais nada.

Me chamam muitas vezes.

Mas meu nome eu já esqueci.

E tudo que eu tenho pra encontrar.

Há muito tempo eu já perdi.

Tenho muito porquê continuar.

Mas uma forte vontade de parar.

Tenho muita vontade de viver.

Mas mesmo assim eu não paro de sofrer.

Tenho que continuar caminhando.

Preciso parar de caminhar.

Tenho que trabalhar mais.

Preciso sentar e relaxar.

Tenho que escrever mais.

Preciso parar de escrever.


…amour et excrucior…

Like what you read? Give King Jeremy a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.