O que é felicidade para você?

Hoje, muito se fala sobre competitividade e crise econômica. Porém, pouca (ou nenhuma) atenção é dada ao indivíduo e como sua carreira é parte importante de sua felicidade.

Nos acostumamos a adiar a felicidade para o happy hour, para o final de semana, para as férias, para a aposentadoria. Passamos, em geral, muitas horas diárias nos dedicando ao ganho de nosso sustento. Levamos a vida no automático, presos num ciclo, como ratinhos de laboratório (eu odeio ratos), onde quanto mais ganhamos, mais gastamos e mais tempo temos que trabalhar para comprar coisas que não precisamos, para mostrar para pessoas que não se importam, o quanto somos bem-sucedidos. Não sou contra trabalhar duro e lutar pelo sucesso. Pelo contrário, aqui fala um workaholic confesso. Porém, acredito mais ainda que podemos buscar nossa felicidade, lutar por ela, tanto quanto lutamos pelo sucesso profissional. O problema é que determinamos um objetivo e deixamos para ser felizes depois de alcançada a almejada meta. Pura ilusão, porque quando alcançamos esse ponto, percebemos que a satisfação de atingir um objetivo é momentânea e novos objetivos vem logo na sequência.

E olha só que constatação — a vida não é momentânea.
E quando seremos felizes?

O desafio do ser humano, cada dia mais ansioso e preocupado com o futuro, é ser feliz hoje. Podemos pensar num maratonista que vê seu sucesso apenas quando completa bem uma grande prova. Mas a vida desse atleta é muito maior do que alguns minutos no pódio. Quanto tempo ele treinou? Por quantos lugares ele passou? Quantos escolhas ele fez para chegar na vitória?
Arrisco dizer que existem pessoas levando a vida como esse maratonista.
Porém, existe outro tipo de atleta. Não menos comprometido e dedicado, mas que aproveita para ser feliz durante o caminho, comemora cada evolução e aprende com cada erro. Trace metas e escolha bem suas provas, mas vamos curtindo a paisagem, porque a felicidade está na JORNADA.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.