Não se pode prender ninguém.

A internet é um mar de compartilhamento de idéias e muitas vezes de sentimentos pessoais nem sempre positivos. Dentre muitos posts na timeline visualizo alguém falando sobre “a forma correta de prender um homem”.

As pessoas entendem o amor como algo material e cercado de egoísmo. Algo comparado a “amo este carro, então não vou vendê-lo”. Com as pessoas não funciona, (pelo menos não deveria funcionar) dessa forma.

O universo é um escritor que não escreve dois livros iguais. A vida é permanentemente cíclica e trabalha para que possamos aprender nossas lições e vivenciar nossos karmas. Quando “prendemos” alguém, seja da forma que for, estamos impedindo o outro de vivenciar algo que possivelmente ensinará algo de importante, tornando aquela pessoa melhor. Claro que quando somos “abandonados” existe o medo, a tristeza e a indignação, que são totalmente normais… mas não são motivos para prender ninguém.

Quando duas pessoas se afastam, significa que os momentos vivenciados são diferentes, e que possivelmente os interesses compartilhados não são os mesmos, o que não faz aquela pessoa se tornar uma inimiga. Algum tempo atrás eu vivi uma experiência do tipo, e os comentários de “consolo” vindos de alguns amigos, eram mais denominados ataques à pessoa que havia se afastado de mim. Existe um abismo entre ofensa mútua e afastamento por “causas naturais”. Se afastar não significa que em algum outro momento você não irá esbarrar naquela pessoa novamente e se aproximar dela. Pelo contrário. Quando as coisas são feitas com sinceridade e respeito, o universo faz seu trabalho.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.