Reflexões acerca da dependência digital — pt. 1

Estou há pouco mais de 48 horas sem celular.
Ele caiu e o que restava de pixels em funcionamento nele, se foi.

O primeiro pensamento é único e previsível: desespero. E em questão de minutos tudo que você consegue pensar é no seu telefone e em todas as informações perdidas. O que abre o precedente pra que a maioria das pessoas te chame de: VICIADO DIGITAL.

Eu tenho dois e-commerces, trabalho com fotografia aos finais de semana, faço estágio na área de comunicação, cuja faculdade estou no último ano (sim, TCC) e tenho um namorado (maravilhoso) que mora longe. Por onde eu gerencio esse caos em 90%? CELULAR.

Um pequeno resumo da minha rotina:

  • acordo 6h30 com o despertador
  • checo o horário do ônibus
  • se estiver de mal humor abro o netflix pra atualizar algum ep. de série e aquecer o coração
  • respondo os primeiros emails/inbox/mensagens da manhã
  • em caso de imprevistos troco mensagens com o pessoal do estágio
  • checo meus rastreios dos correios
  • adianto algumas leituras da faculdade.

e tudo isso ainda antes das 10 da manhã.

Fora algumas funções especiais como ouvir música, fazer meus treinos de corrida, fazer os cálculos das aulas de orçamento…

é super possível viver sem celular…. se você quiser andar com uma mochila cheia de tralha, gastar o dobro de dinheiro e tempo.

continua….

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Joy Santana’s story.