Sobre amores e casas

Um grande amor é como uma casa alugada. Você a toma pra si, e constrói ali seu lar dentro de um lugar que algum dia foi totalmente desconhecido pra você. Você cuida para que as coisas que estão intactas tenham o mínimo possível de dano, e se esforça em reformar as partes que se danificaram em algum momento.

Mas infelizmente podem acontecer coisas com essa casa. Talvez ela seja pequena demais, ou a localização dela não seja tão viável, ou até ela te custe muito caro, e em algum momento isso te incomoda ao ponto de que você vai ter que se mudar.

Também existe a possibilidade de que o dono a queira de volta, por algum x motivo. E aí você se muda compulsoriamente — sem escolha.

Mudar de seu lar alugado pra alguns é a coisa mais fácil a se fazer. Vendem tudo que tem, aproveitam o hiato para fazer grandes viagens por aí. Outros precisam de ajuda, muita ajuda — principalmente em mudança compulsória. Vão precisar de abrigo dos amigos, vão morar em hotéis, testar centenas de casas. Até que talvez… depois de muito tempo, decidam comprar sua casa própria. Mas aquela casa sempre vai ficar no coração e na memória.