“- Vida, sua leva e traz.”

eu tive uma DR com a vida. que mulher difícil essa. difícil porque tudo acontece como e quando ela quer. traz e leva quem quiser também. foi assim que eu comecei a nossa conversa: com jeito de mar em dia de ressaca, feito roupa do avesso. a Vida com toda a calma que tem, apenas ouvia e deixava com que eu me debatesse sozinha. vendo de longe agora, eu era a criança esperneando no chão enquanto a mãe olha com vergonha. mas naquele momento tudo o que eu sentia era uma mistura de frustração e raiva e medo e todos os “es” possíveis: “quem deu ordem pra senhora tirar de mim?”

parecia que eu falava com a parede em branco. eu falei sozinha por muitas horas…ai que raiva! e quando eu vi que o meu show não estava agradando a plateia nenhum pouco, eu parei. e ouvi. silêncio. e foi aí que eu a entendi. a Vida sempre me escutou, e o fato dela não me responder já era uma resposta. até Zeca Pagodinho já sabia: “deixa a vida me levar”. deixa ela me levar, me trazer, levar os outros, trazer os outros. ela sabe o que faz, sempre soube. era eu quem não sabia, que nunca confiei.

que Vida.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.