Que atire a primeira pedra quem nunca sentiu ciúmes.

Seja da mãe, da amiguinha do Jardim de Infância brincando com outras crianças ou do namorado, todo mundo já sentiu ciúmes em algum momento da vida.

Mas assim… bem estranho como depois do episódio com a Ivete Sangalo nesse último fim de semana todo mundo parece ser ultra mega desapegado e nunca passou por episódios de ciúmes.

Nem vou entrar aqui na questão do ciúme masculino enquanto sentimento de posse, obviamente.

Quando uma mulher sente ciúmes entram em jogo muitos outros sentimentos, a competição com outras mulheres, de não ser boa o suficiente pra manter aquele relacionamento, de ter falhado em algum momento para que o outro tivesse que “procurar na rua” o que faltava, traz a culpa de uma possível traição pra si. “Mulheres são naturalmente inseguras” você já deve ter ouvido falar por aí…

Ah, outra coisa que é bem comum quando se trata de ciúmes, são usados termos como “ataques”, “drama”, ou expressões como “tá vendo coisa onde não existe”. Isso parece familiar? Pois é.

Sim, já tive meus dias bem ruins. Se tem “receita” pra curar ciúmes? Se te oferecerem essa “cura”, fuja dela. Talvez eu tenha aprendido que não, não é minha culpa e que sim, pessoas flertam e isso não significa o fim do mundo. Talvez eu te aprendido a ser direta quando não gosto de algo sem medo “ferir os sentimentos” do outro quando esse não teve a menor consideração pelos meus, enfim.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.