Revisão de vida: tire as ferrugens do seu mapa mental -PNL

Comprei uma peça de inox pro banheiro. Ontem, vi que estava cheia de manchas vermelhas de ferrugem. Uou? Ela não tem o direito constitucional de se estragar. NOT! Quem deu licença ou permitiu essa ação da natureza acontecer? Paguei cara por ser de inox! Cara de fúria, andei com a peça como arma pelo corredor do prédio pra jogar fora. Parei. Olhei pra mão. Um pensamento: isso é superficial ou atingiu a essência do material? Dei meia volta com cara de cientista da Nasa. Em casa, coloquei no tanque, calcei as luvas de plástico e peguei uma escovinha. De repente, fiquei de boca aberta: UAU!!! O material estava completamente brilhante, reluzente, puro, perfeito, como se nada nunca o tivesse atingido com a ação do tempo e umidade. Terminei de lavar, sequei e me vi um acessório agora prateado, bonito e impecável.

Você já teve um namorado ou marido que te diminuía e não motivava? Quantas ferrugens ele jogou sobre você e que te fez acreditar que era um lixo? Até que acabou e percebeu que a sua essência estava ali, não corrompida. Pronta para uma nova chance de ser feliz. Ou, você já se violentou indo a um ambiente de trabalho tóxico, com pessoas escrotas, invejosas, traíras e sabotadoras e um dia jogou tudo para o alto e foi correr atrás de um sonho de ser empreendedora ou de um emprego que te reconhecesse? Viu? Aquela sensação de ferrugem era só uma capa. Seu conhecimento, diferencial profissional e inteligência ainda podiam reluzir. Ou você estava morando num lugar longe do trabalho, se matando no trânsito e decidiu acabar com a tortura e se mudou. A vida ganhou outra cor, não?!

Olhe pra sua vida agora e eu tenho certeza que algum campo está enferrujado. Dieta? Malhação? Unhas? Cabelos? Emprego? Família? Hobby? Podem ser só pontinhos marrons ou uma crosta grossa, que precisa amolecer, esfregar, até atingir o brilho perfeito.

Amiga, nenhuma mudança é fácil e sem dor. Mas, quando a dor do seu problema é maior que a dor de mudar, você muda, como diria o nosso Freud. Mas, será mesmo que precisa chegar as últimas consequência para se amar, se cuidar e se defender do mal? Porque não usar sua inteligência e racionalidade pra intervir no seu mapa mental antes de se acabar em lágrimas ou em depressão? Imagine as áreas enferrujadas como ícones na área de trabalho do seu computador. Cada um te dá uma sensação: sofrimento, angústia, ansiedade, tristeza, decepção. Clique nele, seja corajosa! Delete, edite. Tome uma atitude. Não vá deixar na sua vida algo que já sabe que está errado sem fazer nada. Não nasceu pra ser vítima. Agora, sério, não espere que ninguém mexa os pauzinhos pra você, porque o teu amigo do lado tem os próprios problemas.

Vá pra casa nesse fim de semana e faça o exercício de entrar em cada cômodo e olhe o que pode mudar. Um quadro, um gaveta que precisa ser arrumada, um livro que precisa ser lido. Vai ficar chocadíssima com o fato de que nem percebia que tanta coisa precisava ser cuidada, como se os cantos da sua casa fossem repositórios de energia parada. Desapega de roupas, de sapatos, de objetos. Enfia numa grande bolsa e doe pra outros que precisam e podem usar melhor. Saia do estado de ZUMBI tristinha –tenha- pena- de –mim! Comece pela mudança material de arrumar o guarda-roupa, por exemplo, que isso vai ativar dentro de você reflexões e mexer com energias transformadoras que te ajudarão com o obtuso mundo emocional!

Se você mora com seus pais, pinte seu quarto, compre uns adesivos, coloque quadrinhos coloridos, reforme caixas com papel de presente e dê um colorido no seu cantinho. Está com aquele gatinho da escola que não é o carinha romântico que gostaria? Dê um tchau e um beijinho no ombro pra ele! Amiga, se não limpar e faxinar seu caminho, ele ficará interditado com aqueles cones de proibido passar!

Estou aqui torcendo pra te ver se superando e voltando pra me contar que ferrugem já está longe da sua vida! Beijos.

Amo vocês, leitoras.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Li Mendi’s story.