Respeito ao próximo!

Hoje vou fugir um pouco do meu objetivo que é escrever sobre minhas experiências e conhecimentos do mundo da tecnologia para falar de uma experiência de vida que tive, ter que ir trabalhar de muletas.

Na semana passada como de costume sempre jogo meu futebol e tive uma infelicidade de torcer meu joelho.

Pela primeira vez na vida estou tendo essa experiência de andar de muletas pela rua e pegando transporte público nessas condições, e vou dizer que é uma tarefa muito difícil porém não impossível. No transporte público foi um sofrimento descer uma dezena de degraus em passos lentos e adentrando no vagão com o joelho um pouco chorando não consegui nenhum lugar pra sentar, pois bem fiquei firme e forte em pé até chegar minha estação. Eu já tinha um conhecimento que o carioca não é tão caridoso com o próximo, mas dessa vez senti na pele o que uma pessoa com dificuldade de locomoção tem. Com a educação que ganhei dos meus pais eles sempre me ensinaram a respeitar todo mundo e ser solidário a quem precisar. Saindo do metrô levei o dobro do tempo para andar até o meu destino, com estação cheia e rua cheia, vagabundo me trombando e eu tendo que ter firmeza nos ombros quando levava trombada senão poderia ter caído. Depois de alguns minutos a mais do que o habitual finalmente consegui chegar ao meu destino.

Eu em 1 semana estarei já recuperado da minha lesão, mas a minha percepção de tudo isso é que tenhamos sempre respeito com todos e principalmente respeitem e sejamos solidários com os deficientes, pois só quem sofre na pele sabe o quanto é difícil a vida. Se vc não é deficiente NUNCA use a bendita vaga ou o maldito assento que seja destinado para o mesmo, pois você não sabe o quanto que isso faz de diferença na vida de uma pessoa quando esses poucos direitos são violados por BABACAS.

Tenha respeito acima de tudo.
Like what you read? Give Thalles Marchetti a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.