Rapeplay e Consensual non Consent

O QUE É O CnC?

O CnC sempre vai ter o fator surpresa e a imprevisibilidade como elemento. CnC sempre vai ser um Edgeplay. Agora existem duas compreensões da forma de aplicar.

Existe uma safe pra caso algo dê merda, como romper algo dentro do cu, outros problemas físicos, uma mudança de sentimento quanto a prática que pode foder usa mente e outras complicações.

A outra compreensão de consensual non consent é que existe um consentimento prévio, levando em conta toda a negociação e estabelecimento de confiança citados a cima porém a cena para apenas quando o TOP decidir que para e se tu tá botando o pé agora no BDSM não caia na lábia de quem quer fazer isso contigo, mesmo se tu tá a um tempo no meio pense milhões de vezes antes de aceitar algo assim. Um elemento importante nesse formato é ainda manter frases e elementos dentro da cena para saber do bem estar físico e psicológico do parceiro.

NEGOCIAÇÃO DE PRÁTICAS CnC

Você conheceu o top, passaram um tempo construindo confiança, apresentaram seus gostos e negociaram, houveram períodos de teste pra saber o que é mais legal na sua cabeça do que na prática, no caso do Rapeplay faz-se rough sex pra saber a resistência do corpo da parceira quanto a penetração forçada e outros elementos mais “duros” na cena. Parceiras minhas antes de realmente rolar uma cena de Rapeplay eu preparei o corpo e a mente por seis meses pra saber que aguentariam fisicamente e ter a certeza de que teriam estrutura psicológica pra suportar a cena.

INICIO DE UMA CENA DE CnC

Depois de tudo isso e o fato de os dois terem desejos e estarem de acordo, sabe-se que o TOP vai escolher um momento aleatório e executar a prática, não vai ter aviso. Tu pode ser pego saindo do trabalho, do curso, da casa da mãe, pode estar acabando de entrar em casa e ser abordada, etc etc. Levando em conta que é o elemento surpresa o fator principal da cena.


RAPEPLAY NÃO É LEGAL

Agora especificamente sobre Rapeplay, tem uma galera romantizando rapeplay e isso me preocupa, e tem gente confundindo roughsex com rapeplay.

Rough Sex — seria tipo “sexo forçado”, jogue na busca dos sites porno o termo e vai entender bem. O Rapeplay seria uma mistura de Rough sex+Fearplay, assim como em práticas como a humilhação, se não há o fator medo, perda de controle, etc o efeito desejado da prática não está acontecendo.

Agora um pouco do que eu falei no outro post, rapeplay é Edgelay, a melhor definição de edgeplay é de que “são práticas com riscos fisicos e/ou emocionais extremos e baixo nível de previsibilidade” — Jay Wiseman.

Riscos a sanidade e riscos a saúde que são assumidos como pertencentes a prática, porém minimizados, exige um conhecimento técnico da área médica.

Entendido isso deves-se saber que rapeplay não é seguro, quando a gente fala sobre “ambiente controlado” é que a sensação é real, mas é uma cena, existe uma preocupação com a integridade, a intenção não é ser um estupro real como foi dito, mas se ter a sensação de ser abusado o sentimento de perda de controle e de impotência diante da situação que se teria num estupro real, a noção de “controlado” para aqui. Sentimento real em ambiente controlado.

Rapeplay tem sido romantizado e tem seu poder de dar merda subestimado, e aí entra aquela porrada que foi citada no outro texto. O fato de já termos feito 2, 3, 5, 10 rapes não significa que estará preparada pra próxima e que sairá bem da prática, a primeira coisa que TOP e bottom devem ter em mente é que o TOP tem preocupação com a integridade do bottom, porém elementos da prática são alheios ao seu controle e sua percepção e algo que pode estar indo bem, de uma hora pra outra pode dar uma guinada. O bottom precisa da noção de que ele pode criar sequelas da prática, que podem exigir depois tratamento psicológico adequado, mas que pode gerar o fim da relação ou sequelas irreversíveis, isso pode gerar o fim do relacionamento, pode gerar aversão ao TOP, aversão ao BDSM e gatilhos ligados e fica a pergunta, tá preparado pra essas possibilidades?

TIPOS DE RAPEPLAY

_Kidnapping_: Sequestro seguido de estupro, em uma situação assim é sempre bom dar sinais de que o que está acontecendo é o que havia previamente sido combinado, seja uma frase específica, um elemento de cena, uma peça de roupa, etc. Jogar no google sobre sequestros dará uma noção de como uma cena assim funciona.

_Estupro Doméstico_: Quando se pensa em rapeplay o que vem na mente é um “estranho” ou algo assim e não o mais comum dos casos, uma cena de rape pode acontecer com o parceiro dormindo, pode acontecer por um “direito a sexo” pertencente ao TOP quando e como assim desejar, pode ser uma “virada de jogo” durante o sexo e parte da exclusiva preocupação de fazer do parceiro um depósito de porra, coisificação do parceiro o fazendo sentir usado e abusado e ter sua presença rebaixada. Pra quem tem estomago e não tem gatilhos relacionados a isso pesquisem sobre estupros domésticos.

AFTERCARE

O principal fator que diferencia o rapeplay de um estupro real é o Aftercare. Após a cena o bottom realmente vai passar por um sentimento de abuso e vai por muitas vezes repudiar o TOP, pedir distância, talvez até agredi-lo, saber a forma e o momento de aproximação é importante e só o extremo conhecimento do parceiro vai dar ao TOP essa percepção.