Levar

atiro-me ao vento
sem nenhum talento
mas saio voando
do ar me soprando

sou filha da terra
da água e do ar
meu fogo faz guerra
se você parar

e a gente se encerra
na onda do mar
pode ser bom
pode ser devagar
e se não for pra ser
não será
ainda há muito oceano
pra gente explorar

acabo que desato
me acabo num disparo
saio queimando mato
pra cabeça voar

num desatino leve
tão breve
não quero convencer
nem agradar

só viver
é o que eu quero
e me deixar
levar

Like what you read? Give Lisiê a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.