Sobre a cultura do estupro

O estupro é uma das mais violentas formas de controle social de gênero. Buscam-se “justificativas”, motivos, só pra não questionar a nossa cultura que é tão permissiva com os homens. Mulheres repetem esses discursos numa equivocada e desesperada tentativa de sentir segurança: “afinal, se eu não tiver o comportamento x, isso não vai acontecer comigo”. Ledo engano!
No fim, tudo é uma questão de controle, de poder. Com o perdão da palavra, homens também têm cu. Também são estupráveis.
Mas por que a maioria esmagadora das vítimas são mulheres e crianças? 
Quando você diz que uma mulher andando sozinha, vestindo roupa tal e etc tá “pedindo” por algum tipo de violência, você diz que mulher não deveria andar sozinha, nem fazer isso nem aquilo simplesmente Porque Não. Homem pode, mulher não. A lógica é bem simples e se resume a isso.
Para o patriarcado, não é interessante que mulheres sejam livres, fortes e destemidas. Querem que sejamos pequenas, frágeis, dóceis, domesticadas. Querem, sim, que a gente viva com medo. Que nos vejamos como rivais, que sejamos sós, porque assim é mais fácil nos controlar. Para o patriarcado, a masculinidade dos homens é muito mais importante que a saúde física e mental das mulheres, que o nosso bem estar.
Mas nós resistimos. Não aceitamos. Cada desobediência é resistência e há várias gerações as mulheres estão unidas para acabar com isso. 
Conseguiremos, vocês vão ver.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.