Sobrescrever

Eu encaro esse cursor piscando sabendo que algo precisa sair de mim, mas sem saber o quê. Uma parte de mim, sabe, é claro. Mas não essa camada da superfície que toma a decisão de encarar o cursor piscando e apertar letra por letra. Tec tec. Adoraria poder fazer isso numa autêntica máquina de escrever, sujando e prendendo os dedos nas teclas e fazendo barulho de verdade. Mas isso é pura vaidade. Eu tenho uma vaidade que não se sacia com roupas caras. Minto. Nem sei o que é ter roupas caras pra saber se minha vaidade assim saciaria. Acho que o dinheiro nada sacia. Mas distrai. Só acho, porque também não sei o que é ter tanto dinheiro para gastar com vaidades até (tentar) me saciar. E um dos motivos pelos quais eu não sei o que é ter muito dinheiro é porque eu tenho essa mania de encarar o cursor piscando e, quase com raiva, digitar letra por letra por letra por letra até alguma verdade trancafiada se libertar e sair de mim. E me sentir mais leve por alguns instantes, até perceber que isso não muda nada.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.