Bate papo sobre mulher na tecnologia

Participei de uma entrevista/bate-papo sobre o assunto no programa Papo de Estagiário na TVJC

No dia 12 de maio participei de uma conversa sobre mulher na tecnologia, onde falamos sobre como paramos nesta área, dificuldades encontradas e outras coisas.

TVJC — Programa Papo de Estagiário. Rafael Santos, Ingrid Cordeiro, Marcely Santos e Eu.
Link para o vídeo (spoiler: a conversa começa em 10:15): https://www.facebook.com/PortalNE10/videos/1537855866276398/?pnref=story

O Papo de Estagiário é um programa da TVJC, apresentado por Rafael Santos e Ingrid Cordeiro que são estagiários do SJCC. Ele ocorre as sextas-feiras no SJCC e é transmitido ao vivo pelo facebook.

Fui convidada para participar de uma conversa sobre o tema, junto com Marcely Santos que é consultora na ThoughtWorks.

Tudo começou na semana anterior quando Bruno Eugênio, meu coordenador, sugeriu que eu participasse da entrevista juntamente com sua amiga, a Marcely. Eu topei, fiquei bem nervosa só em imaginar o que e como seria, mas topei. Senti que era uma coisa que eu queria, uma oportunidade que tive de começar a participar dessas coisas, pra que num futuro eu tenha coragem de palestrar.

Chegado o dia e a hora, fui lá. Fiquei bastante nervosa, e ainda me deram um microfone de mão (eu não sei segurar um microfone nem falar num (sei que não tem dificuldade nenhuma, mas não tenho pratica)).

Ingrid e Rafael iniciaram o programa, falando de algumas noticias atuais (florzinha do Facebook, Bomba de fezes (~wat), pagamentos de impostos) e após isso foi a entrevista.

Algumas perguntas foram (só que aqui tô explicando de um jeito mais completo, já que eu consigo me expressar melhor escrevendo):

Como foi que eu decidi entrar nessa área

Eu entrei por curiosidade com computadores, não sabia que iria programar, não conhecia nada a respeito disso antes, conheci a programação ao longo do curso e fui gostando e decidi que queria isso pra mim.

Como é ser mulher nessa área

No meu caso eu nunca passei por algo muito tenso, só vez ou outra que rola aquelas piadinhas chatas, mas também depende da pessoa, não é todo homem que fica soltando piadinhas.. Depende do grau de “sem noção” da pessoa. Uma coisa que não falei, que todos os lugares que passei para estagiar e trabalhar na área, fui bem tratada por homens, me ajudavam e incentivavam. Mas tenho a consciência de que várias mulheres passam por dificuldades nesta área e isso gera muita insegurança para elas e dependendo do nível de abuso pode afetar nas decisões dela em relação a carreira.

Sobre o que eu faço como programadora

Este eu travei pois não sei explicar muito bem. Disse que fazia sistemas para o SJCC, mas eu não soube explicar muito bem que tipo de sistemas um programador faz, me senti bem “inútil”. Não que eu realmente não saiba, eu só não sei passar isso em palavras, e principalmente quando tem uma pressãozinha.

Já passei por sistemas de gestão financeira onde os clientes do sistema usavam para inserir dados financeiros da empresa (contas a pagar, contas a receber, geração de relatórios, cadastro dos clientes que a empresa tinha), sistema de gestão escolar (cadastro dos alunos, professores, matérias, notas, relatórios), CMS (Content Management System — Sistema de Gerenciamento de Conteúdo) onde os jornalistas cadastram as matérias com imagens, áudios, videos, conteúdos interativos. E para tudo isso é preciso ter um banco de dados para que todos esses ~dados sejam salvos e recuperados sempre que for necessário. E para isso tudo é necessário cuidar da parte de segurança para que os dados não sejam roubados ou violados. Enfim.. 😛

Acho que um resumo disso seria…. eu não sei explicar um resumo. Por isso que travei. ☹️

Mas tudo que acontece na minha vida tento tomar como uma experiência, e essa foi uma experiência muito boa. Conheci a Marcely, não tive a oportunidade de conversar muuuuito com ela, mas pelo pouco que conversei já dei muito valor. Ela me deu uma forcinha antes de começar, falando que também é muito tímida. E achei bem bacana as “skills” dela: já foi programadora, analista de sistemas, e é gerente de projetos, professora e consultora na ThoughtWorks… Ela sabe o que é passar por alguns preconceitos na área e luta para ter seu espaço.. Já virou uma inspiração pra mim 😃

Bem, é isso.. Decidi registrar esse momento em palavras escritas/digitadas também já que tô treinando ainda pra saber me expressar em palavras faladas. 😜

hehueheu

Obrigada a todos que me apoiaram nisso 😊