Espera.

Nem é sobre o que existe aqui ou o que existe lá. Pronto, ponto, não. Espera aqui não é o que eu estou fazendo, é um pedido. Espera pelo o que não vem depois da tempestade, espera pelo o que encontra em meio ao que está perdido. Quem está perdido? A noção que eu tinha de que isso ia se tornar algo bom.
Inundado em coisas que nem fazem mais sentido o que eu escrevo aqui é a tentativa de resumir o que aconteceu em quatro meses. Eu era aquela coisa boa no meio de tantas coisas ruins. Eu sou aquela coisa ruim no meio de tantas coisas. Espera por tudo que não está lá, não vai voltar.
Não vai voltar porque o tempo não volta, nunca anda para trás. Cada segundo perdido é um segundo ganho, a gente vai lembrar disso mais tarde. Em algum lugar no futuro, se a gente tiver um, nós vamos nos lembrar desse exato momento em que eu te digo: Cara, nós somos espera.
Nós esperemos demais e isso não é de todo ruim. Algumas coisas não podem ser controladas por nós, controladas pelos nossos dedos. Seria melhor se elas pudessem, mas não são, e sabe que isso não é algo tão ruim assim? Esperar é não ter certeza e ninguém vive de certeza.
Quando a gente nasce a gente não tem certeza. Quando a gente cresce a gente não tem certeza. Nem no exato segundo que beira entre a vida e a morte a gente tem um pingo de certeza. Mortos, bem, eu não tenho certeza. Eu nunca morri antes, não por fora.
A espera é o laço que une todas as migalhas que somos. Eu não posso me ligar a nada porque eu nem sequer existo. Sinto-me fora do mundo, eu não deveria estar aqui, só que eu não deveria estar fora daqui. Se fosse talvez eu teria um pouco de coragem. E então estou fazendo aquele pedido imenso em algo tão pequeno como era para ser. Espera.
Espera que dias melhores virão. Mas, se eles não vierem, espera que nós nos lembraremos desses dias que julgamos tão ruins. Espera que cada vez que nós perdemos um dia, a gente ganha alguma coisa, e é ela que a gente vai levar quando não tivermos mais certeza que estamos vivos. Essa é a única certeza, não é?
Nem eu sei. Acho que já morri há algum tempo.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.