Amadurecer na internet: uma reflexão sobre o comportamento online

Você mandou indireta para o ex, reclamou daquele amigo que só sabe falar sobre um determinado assunto, criticou as modinhas que as pessoas seguem nas redes sociais. Daí o tempo passa e você usa aplicativos como o Timehop para ver o que postava no passado e descobre como você era chato.

Não estou dizendo aqui que todos devam ser exemplos de evolução. Todos temos nossos momentos de escrever bobeiras e desabafar sobre o que nos incomoda, principalmente na internet. Só que o que a gente posta dá margem para inúmeras interpretações online, e nem sempre isso agrada aos nossos leitores.

Já escrevi posts reclamando sobre o uso do Instagram, ditando a forma que as pessoas deveriam se comportar nessa ou naquela rede social. Daí hoje eu me pergunto: o que eu tenho a ver com a forma que o outro posta? Se todo mundo fosse igual, qual graça teria a vida? Fora a questão da liberdade de expressão. Se eu não quero que se incomodem com o que eu escrevo, não devo me incomodar com o que os outros escrevem.

Ler posts antigos possui um lado bom: permite que você entenda quem era e o quanto você ainda pode e deve evoluir. Também permite compreender que algumas pessoas possam ter ficado magoadas com a forma como você falou. É sempre importante ponderar se o post deve ser feito ou não.

Me arrependo sim de algumas coisas que escrevi. Não sou dessas pessoas que acreditam que não devemos nos arrepender de nada. Pelo contrário. Se arrepender é sinal de que você evoluiu ao menos um pouquinho e que sabe que hoje faria diferente.

Às vezes eu ainda me incomodo com determinados posts nas redes sociais, mas já entendi que não cabe a mim dar palpite no comportamento dos outros. Eles não são perfeitos e eu também não. E essa é a beleza da convivência e do amadurecimento.

Se tiver tempo, dê uma olhada nos seus posts antigos e faça uma avaliação de quem você já foi na internet. Pense se faria diferente hoje, pois o passado atualmente está acessível para que possamos nos corrigir e fazer diferente a partir de agora.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.