ATENÇÃO HOMEM NEGRO, ESSE PAPO É CONTIGO.

Texto escrito em 30 de Janeiro de 2017

Então, esse é um assunto bem… complicado, por assim dizer, mas vamo lá.

Eu tenho lido bastante sobre questões raciais nos últimos meses e com isso a minha mente começou a borbulhar sobre várias questões e fazer várias ligações de outros assuntos e relacionar na minha vida também. E esse vídeo fala de ALGUNS pontos importantes de ser homem e ser negro.

https://www.youtube.com/watch?v=zK8-Ctji7Vc

Fala por exemplo, que quando falamos de homens negros, falamos de que temos 3 VEZES MAIS CHANCES DE MORRER do que um homem branco, falamos do genocídio negro, do encarceramento em massa, mas falamos bem pouco, ou quase nada, de como nos sentimos nessa pele.

Não falamos de autoestima, não falamos de saúde mental, não falamos de como estereótipos nos afetam internamente, não falamos do que sentimos, nós não falamos. Nós estamos tão concentrados em não morrer, que esquecemos que ainda estamos vivos e simplesmente não falamos nada.

Vamos falar mais, por mais difícil que isso seja! Vamos reivindicar nosso direito de estarmos vivos e podermos falar as coisas sem que caiamos num precipício ridículo de julgamento. Vamos nos dar o direito de sermos fracos também, de pedir ajuda, quebrar essa merda de imagem de que o homem negro é forte, que não sente nada e que só serve ou pra trabalhos braçais ou pra fuder. Vamos admitir que estamos doentes, que o racismo nos adoece e nos mata de várias formas e não só fisicamente. Vamos entender que a nossa vida é maior do que nos dizem o que e quem devemos ser. Vamos ser os exemplos que sempre pedimos e nunca tivemos. De novo, vamos falar mais de nós mesmos ou com nós mesmos.

É bem complicado pra mim falar dessas coisas, principalmente por estar me expondo dessa forma, que como eu disse, por mais leitura e abertura que eu tenha pra falar ainda é muito difícil me livrar de vez de alguns desses estereótipos, mas é importante entender que precisamos falar sobre isso. Mas só vamos nos libertar e libertar nossos irmãos quando isso for um esforço coletivo.

Ainda tenho muita coisa pra desenterrar e falar, mas não acho que um texto resolva tudo, é um assunto muito amplo e cheio de ramificações e implicações que a gente precisa começar a cobrir essas coisas. Quero que esse texto, esse vídeo, seja mais um convite pra nós homens negros falarmos sobre nós mesmos.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Josué Dias’s story.