Alteração hormonal feminina

Tem certas coisas que são difíceis de explicar. Por exemplo, dia desses estava conversando com um amigo sobre TPM. Ele estava curioso e queria saber o que rolava com as mulheres nesse período em que nossas emoções oscilam tanto.

Pensei: pô, bacana que ele queira entender melhor como isso funciona. Quem sabe ele não passa a ser mais tolerante com as amigas, namoradas e mulheres em geral, né?

Tentei exemplificar com as minhas próprias experiências. Eu tinha a resposta pra cada pergunta e estava até feliz em compartilhar um pouco do mundo feminino com um homem… até que ele começou a olhar para os lados enquanto eu falava.

Parei, respirei, contei até dez e continuei. Nada me irrita mais do que conversar com gente que não olha no olho enquanto você fala, principalmente quando não foi nem você que entrou no assunto. Mas tudo bem, continuei falando sobre as alterações de humor, os sintomas e tudo mais.

- Você tá rindo, de repente fica triste…

Opa! Mais uma olhada pro lado.

- ….às vezes parece que você tá em depressão, sabe? Pelo menos é assim comigo, mas varia bastante de mulher pra mulher.

- Aham, sei como é. Calma aí, só um segundo. — disse enquanto tirava o celular do bolso e começava a ler uma mensagem.

CALMA AI? Sério que ele vai me interromper enquanto eu falo só pra responder uma mensagem? Não dá pra esperar eu terminar de falar? Dessa vez não fiz muita questão de disfarçar que estava incomodada.

- Ah, meu. Chega! não vou mais falar sobre isso, foda-se. Tô aqui tentando te explicar e você fica olhando pro lado toda hora, falando no celular… que falta de respeito!

- Calma, cara! Tô prestando atenção, juro. Só precisava responder uma parada aqui.

Logo mandei ele pra aquele lugar e saí andando pra casa. Ele ficou com cara de quem estava sem entender nada e ainda lançou um “Ihh, tá de TPM”. Vai se fuder! Que raiva, que raiva, que raiva! Não tô de TPM. Falou cinco minutos sobre o assunto e acha que já sabe tudo. Perdi meu tempo com um babaca que não sabe nem conversar.

Tipo, ele é muito gente boa, mas ah, custa ouvir quando a gente tá falando? Se ele não se importa de olharem pro lado enquanto ele fala, tudo bem, mas pensa que isso pode significar falta de respeito pra outra pessoa.

Andei mais uns 500 metros e foi o suficiente pra eu começar a pensar se peguei pesado demais. Quer dizer, às vezes ele não liga mesmo… então nem imagina que isso pode ser chato. Na real, normalmente eu também não ligo muito. Seilá, acho que exagerei um pouco.

Olho pro lado e no lugar da raiva que eu estava dele, me vem uma vontade de chorar. O motivo? Um velhinho com um carrinho de pipoca com um saquinho em uma mão, enquanto a outra segurava a pá para pegar as pipocas, apenas esperando alguém que quisesse comprar. — Ele devia estar aposentado, em casa, vendo um filme confortável no sofá ou coisa do tipo. Não aqui… ele chegou nessa idade e não conseguiu muita coisa. Ainda precisa trabalhar e deve ganhar tão pouco. — pensei.

Aquilo me partiu o coração e eu comecei a chorar que nem uma criança. Quanta injustiça! Enquanto uns têm tanto, outros têm tão pouco. Definitivamente aquele não era o meu melhor dia. Tomei o primeiro ônibus para ir pra casa e fiquei refletindo como a vida era injusta, enquanto ouvia o álbum inteiro da Enya.

Cheguei e fui direto pra cozinha para afogar as mágoas no bolo de chocolate mais gostoso do mundo. Isso ia com certeza fazer eu me sentir melhor. Nada como um docinho pra melhorar o dia da gente, né? Até que abro a geladeira e vejo que minha irmã tinha comido o último pedaço daquele bolo que eu tanto amo e estava contando os SEGUNDOS pra comer. Nem pensei duas vezes, né? Liguei pra ela na hora e soltei os cachorros.

- VOCÊ COMEU O ÚLTIMO PEDAÇO DO BOLO? VOCÊ NÃO VIU QUE ELE TAVA ESCONDIDO NA GELADEIRA? SABE PORQUÊ? PORQUE EU SABIA QUE VOCÊ IA COMER. VOCÊ SABE QUE É MEU PREFERIDO! EU TAVA GUARDANDO AQUELE PEDAÇO PRA COMER HOJE!

Xinguei de tudo quanto é nome e bati o telefone na cara dela.

- Pensando bem… ainda bem que não comi aquele bolo. Tô enorme de gorda, que merda! Olha essa banha! Nenhuma roupa fica boa em mim mais!

Deu cinco minutos e eu comecei a rir de mim mesma. Cara, que doidera! Era só um bolo, era só uma conversa e eu perco esses 2kg em uma semana. No dia seguinte, fui pedir desculpas para o meu amigo e contar pra ele como tinha sido o resto do meu dia. Ele entendeu direitinho o que é estar na TPM.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Larissa Karlovic Burgos’s story.