sobre clareza

Há uma pá de coisas que NÃO devem ser iniciadas caso você não tenha uma meta, um objetivo claro, cristalino, consciente, de contornos nitida e rigorosamente estabelecidos. São elas:

não abra o facebook

não entre em grupos do facebook

não entre em grupos de whatsApp, whoApp, howApp, wtf…

não abra a caixa de bombons

nem o sótão

não vá à reunião de condomínio

não vá à nenhuma reunião, aliás

não visite a família

não pense que podia ter sido diferente

não pense em ex (pessoas, coisas, cargos e/ou funções)

não ligue para o(a) ex

não volte para o(a) ex

não consulte o extrato da conta ou do cartão de crédito

não peça por mais limite no cheque especial (ainda existem cheques?)

não entre numa loja em liquidação

não entre no shopping aos sábados

não entre no BIG seja lá qual for o dia

não pergunte se está tudo bem

não vá para a rua entre 13h e 18h durante o verão 40 graus de POA

não compre quinoa, amaranto, chia, linhaça dourada, mirtilo ou goji berry

não reaja

não entre em fila

não pergunte a previsão do tempo

não pergunte quanto custa ou se dá para parcelar

não vá a feiras

não entre em banheiros públicos

não use salto alto

não faça dieta

não beba

não provoque

não traga à discussão nova a discussão velha

não diga não

Em compensação, há uma outra pá de coisas que DEVEM ser feitas justamente quando não temos objetivo algum, clareza nenhuma. São elas:

sentar em uma praça

caminhar no parque

tomar sol

pedalar

correr

ligar praquela(e) grande amiga(o)-irmã(o)

oferecer ajuda

cantar

assoviar

ouvir música

entrar em uma floricultura

se embalar na rede

no balanço

olhar o mar

e o horizonte

fechar os olhos estando bem acordado e desperto

ver o dia nascer

e o entardecer

dar um abraço

sorrir para o espelho

fazer caretas para o espelho

cheirar jasmim

e folhas de limoeiro ou laranjeira

tomar chimarrão

escrever

desenhar

pintar

ler a orelha de um livro

abrir e ler aleatoriamente a pg de um livro

ler um livro todo

folhear uma revista velha

olhar para uma fogueira (olhar, não; deixar-se hipnotizar)

assistir a um temporal no limite da proteção, sentindo os respingos de sua virulência

ver fotos antigas de cidades quaisquer

dançar (não digo dançaaaaar; mas um gingadinho)

passear com o cachorro

duvidar de sua mente

meditar

aceitar

dizer sim

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Loraine Luz’s story.