Sexismo

É muito comum ouvirmos por aí: “Ah, lugar de mulher é na cozinha”. “Você jogar video-game? Mas você é menina!” ou “Você não deve ajudar nas tarefas de casa, você é homem, isso é coisa de mulher”. E a que eu mais ouço, vinda de meus pais: “Você não pode fazer mochilão/ viajar sozinha, oras, você é uma mulher. Mulheres não fazem isso.” POR QUÊ NÃO? Esses “preconceitos” são chamados sexismo.”Atitude, discurso ou comportamento, que se baseia no preconceito e na discriminação sexual: a exaltação exagerada do masculino ou do feminino é uma forma de sexismo.” (via). Pensando nessa discriminação foi criado um site, disponível em vários idiomas, que se chama Sexismo Diário, onde pessoas postam relatos de atitudes de sexismo que aconteceram a elas. Separei alguns exemplos para postar aqui: “Lendo uma notícia triste de uma garota que foi estuprada no Leblon — Rio, me deparo com a frase infeliz do delegado “O que é relevante é que ele não conseguiu romper o hímen, mas que aconteceu o estupro, aconteceu, afirmou Waldeck, ressaltando que isso é importante por se tratar de uma menina.” Como assim relevante??? E o trauma e a dor psicológica que a menina vai carregar pelo resto da vida….isso não é relevante?? Ahhhh essa porcaria de hímen só é importante pra um tipo de pessoa…” Debora “Na família de uma amiga minha, ela e a irmã fazem tudo, enquanto o irmão e único homem entre elas, já que a mãe é solteira e trabalha o dia todo, não sabe temperar uma salada ou fazer um arroz, pq pelas palavras da própria mãe, por ele ser homem, não tem o dever de fazer trabalhos domésticos, sendo que tem duas mulheres em casa.” Pamela “eu havia me matriculado em um curso de guitarra havia um mês e em uma aula o meu professor disse que eu utilizava a palheta com pouca força provavelmente pelo fato de ser uma garota. sabe aquele momento no qual você não estava preparada para ouvir algo? eu não esperava e subitamente não entendi o que ele quis dizer. não consigo acreditar que ele acreditava no que havia acabado de falar, porem o disse com muita naturalidade e sem nenhum embasamento. ingenuamente nunca achei que passaria por tal preconceito por ser guitarrista. agora, sempre que alguém diz que eu toco muito bem, acrescento mentalmente a frase implícita “muito bem para uma mulher”.” Anonima “No meu ensino médio, um professor de Biologia pra fazer graça tentando explicar que as mulheres eram interesseiras por motivos biológicos e evolutivos: “ela tem que garantir que o filhote seja criado da melhor forma possível”. Na hora uma amiga minha se revoltou na sala, mas fiquei com medo de apoiar, ele era o professor poderia nos marcar no resto do ano. Tinham cerca de 25 meninas na sala e um menino, ele e mais 2 meninas apoiaram o professor. Devia ter ajudado minha amiga.” Paula “Eu estva chegando numa festa e, sem dificuldade, fiz uma baliza para estacionar o carro. Quando desci um dos dois homens que estavam observando a cena falou: “Parabéns! Eatacionou como um homem!”. Fiquei tão chocada com o comentario que não consegui nem retrucar. Até tentando elogiar nos ofendem…” Isa

“Um dia estava no ponto de ônibus perto de casa, de tarde. Era um horário de pouco movimento. Tinha várias pessoas no ponto, uma mãe com criança, uma senhora de idade, e uma menina adolescente muito bonita (bem do tipo “corpão”). Não precisaria citar que ela estava de shortinho e top, pq acho isso irrelevante, pq assédio sexual acontece independente da roupa ou tipo físico da mulher. Mas em todo caso ela era muito bonita e chamava muito atenção. Aí passou uma viatura da PM bem devagar do outro lado da rua, e ficaram de olho na menina. Logo depois, eles deram a volta e retornaram, passando de novo pelo ponto devagar, fazendo som de chamar cachorro com a boca (tipo barulho de jogar beijo) e falando gracinhas pra menina, que não reagiu e ficou sem graça. A senhora de idade que estava no ponto comentou o seguinte “Se a gente reagir, ou mandar eles praquele lugar, ainda vai presa por desacato”. E é verdade. Eles estava usando a posição de policiais pra assediar sem medo, só pra se divertir, loucos pra menina se enfurecer com eles e eles poderem colocar ela no banco de trás da viatura. Eles ainda tiveram a coragem de passar uma terceira vez pelo ponto de ônibus, mas nesse momento a condução chegou e entramos no ônibus. E pra quem ficar pensando: “Por que vc não fez nada???”, o que eu poderia fazer? Chamar a polícia? Pois é.” Juba “estava em uma festa em uma casa noturna com duas amigas. estava solteira e elas também. ja eramos maiores de idade, bebiamos, dançavamos e nos divertiamos normalmente. não ficavamos paquerando com ninguém, nossa diversão era dançar e conversar, entre nós mesmas. até que veio um rapaz puxando meu braço e querendo dançar comigo. eu sorri, fui simpática por que entendo que em ambientes de balada a paquera rola solta mesmo, mas disse que não tinha interesse e o dispensei. fui super educada, mas ao ouvir minha recusa ele me empurrou e falou “também não queria, feiosa do c***lho!”. tipico. homens não aceitam que mulheres tenham controle sobre o proprio corpo e o proprio desejo. ele, como muitos outros, acredita que mulher não tem querer. babacas!” Bia “Demorei alguns anos para entender que aquilo havia sido uma agressão. Uma vez precisei fazer uma operação ginecológica e fui a diversos médicos, pois o diagnóstico não era claro. Um deles fez um exame de toque que me deixou incomodada, devido a sua postura durante o exame. Tive a impressão que ele estava desfrutando do momento. Anos depois, conversando com minha médica ginecologista percebi que aquele exame foi completamente desnecessário. O médico em questão aproveitou-se da sua situação de detentor do saber para me violar.” . “desde criança, me frustra essa educação que minha mãe e meu pai me impunham de ter que ajudar nas tarefas domésticas enquanto meus dois irmãos brincavam livremente… um dia, eles disseram, á mesa do almoço: ainda bem que temos a *** que é a empregada da casa… eu respondi, entredentes, que não era empregada de ninguém… meu pai me tirou da mesa, me agarrou pelo colarinho da camisa e me empurrou contra a parede do corredor escuro dizendo, afirmando, apertando o punho cerrado contra meu pescoço: VC É EMPREGADA DA CASA SIM!” Mariejojoe “Fiz vários cursos na área da programação, mas tenho dificuldade de arrumar emprego, pois as empresas geralmente dão preferencia aos homens. Em uma entrevista, uma entrevistadora disse que seria muito difícil eu conseguir uma vaga, pois uma mulher no meio de tantos homens poderia tirar a concentração deles.” N. “Quando era pequena, nas reuniões da minha família eram sempre as mulheres que lavavam a louça. Afinal, é essa a função da mulher. Enquanto isso, os homens tomavam cerveja ou dormiam, já que, coitados, tinham passado o dia todo fazendo churrasco.” Heloisa “Eu tinha 15 anos, quando o meu primo me apresentou a um amigo. O tal amigo, um segundo depois de me dizer ‘prazer’, emendou: ‘você é muito gata, me dá um beijo’. Na frente de todo mundo (meu primo e outros amigos e amigas). Eu fiquei visivelmente sem graça e constrangida, mas todo mundo riu como se fosse a coisa mais engraçada do mundo. Daí o cara veio realmente para cima de mim, pegando no meu cabelo, repetindo que queria ‘um beijo’. Eu fui me afastando, atordoada com aquela situação, e ele veio atrás de mim. Acabamos bem afastados do grupo, e, falando sempre em um tom muito sério com ele, consegui me impor e fazer que ele desistisse daquele assédio. O que mais me assustou é que NINGUÉM do grupo veio me ajudar naquela situação desagradável. Todos reagiram como se fosse a coisa mais natural do mundo. Afinal, qualquer homem pode abordar e tratar uma mulher (coisa/objeto) daquela maneira. Quando cobrei uma postura do meu primo e da minha amiga eles disseram que eu era ‘fresca’ e estava ‘fazendo drama’”.Ana “Soube de uma série de histórias de horror esse fim de semana. Um sujeito conhecido, até bem próximo é um predador de adolescentes. O pior é que devido à profissão, ele tem acesso e confiança de meninas entre 13 e 17 anos. A última história de horror protagonizada por este sujeito é que ele estuprou uma menina de 16 anos. A mãe da menina contou para a esposa dele. A esposa o confrontou, ele disse que foi seduzido, que ela o pressionou e ele não teve outra alternativa, a não ser transar com ela. Como se uma menina de 16 anos tivesse poder sobre um homem de 57. A mulher dele (30 anos mais jovem que ele, eles casaram ela tinha 15) não só acreditou na história, como começou uma campanha difamatória sobre a menina, narrando os fatos distorcidamente. A vida da menina acabou, ela não sai mais de casa. A família não vai processar por vergonha. Estou há dias com o estômago embrulhado por causa dessa história.” B “Sou homem (pois o sexismo não prejudica apenas mulher, mas, também, homens) e tenho um perfil falso no Twitter. Não há indícios do gênero/sexo no twitter, mas todo mundo me enxerga como uma mulher. Por quê? Por causa da foto de flor? Por que elogio homens e mulheres que são bonitos? Então, neste twitter, por ser considerado “mulher”, sou, constantemente, chamado de adjetivos machistas relacionados ao corpo. Observação: eles nunca viram meu corpo, mas já concluem, antecipadamente, que sou uma mulher louca que só sabe reclamar das coisas.” Augusto É muita história… Vale entrar para conferir e denunciar!


Originally published at www.ideiasemblocos.com.br.

Like what you read? Give Lorena Buiatti a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.