Liberte-se

Você já se perguntou quantas coisas no mundo você ignora pelo simples fato de não gostar?

“Eu não gosto disso, não concordo, isso é coisa de gente louca, não quero saber”

Você se recusa a saber, a pesquisar, a entender porque não concorda, mas já parou pra pensar em quantos problemas você tem que também são incompreendidos?

Então, pra que não abrir os olhos para aceitar as diferenças alheias, que são inclusive consideradas inaceitáveis para algumas pessoas da sociedade, se você alguma vez também já quis ser compreendido e não foi.

Eu achava que ser depressiva era um fato que eu deveria carregar dentro de mim e esconder das pessoas, já que seria chamada de louca ou fresca.

Eu achava que eu deveria aceitar que ser mulher é seguir as regras impostas ao longo dos anos.

Eu sabia que o mundo era cheio de coisas que não são compreendidas e costumava falar “deixa pra lá, ninguém vai entender”.

Eu não sabia que deveria lutar por liberdade de expressão, de ser quem se quer ser. Mas eu conheci histórias diferentes, pesquisei sobre assuntos que ninguém fala, quebrei tabus, joguei no Google, conversei com pessoas e estou me libertando.

Conhecer histórias te liberta, mas para conhecer histórias você precisa compreender.

Então, eu só queria dividir com vocês que hoje eu compreendo ao invés de julgar. Eu compreendo ao invés de me calar.

Eu compreendo porque espero que o mundo seja mais compreensível e assim possam aceitar que diferenças existem e que basta você atravessar essa linha para aceitá-las e transformar seu julgamento em um simples “eu te entendo, não tem problema nenhum, seja quem quer ser”.

-