Cartas para Lucas — #2

Oi Filho,

Hoje foi uma correria só, tive inúmeras reuniões, a cabeça ficou a mil e até fiz um teste para descobrir melhor quem eu sou. Muito provavelmente quando eu te contar meu perfil você vai dizer: "Pô, pai precisou fazer um teste pra te contar o que eu já sabia?"

A vida é meio assim, a gente passa um bom tempo já sabendo quem a gente é mas precisa de um teste só para confirmar que estávamos certos o tempo todo. Mas enfim, isso é assunto para outra carta no futuro.

Hoje eu queria te contar da importância de ler. Lá pelos 5 ou 6 anos você vai aprender a ler a escrever. Eu comecei com 5 anos, sua avô contava que eu lá pelos 4 anos comecei a copiar o que estava escrito nas embalagens de biscoito então, ela como uma boa educadora, viu que eu queria aprender logo a escrever. Nem sei se essa história é mesmo verdade, mas eu acho legal te contar, pois de certa forma o que me trouxe até aqui foi essa vontade em aprender a ler e consequentemente em saber.

Ah, conforme te prometi estou ouvindo isso aqui enquanto te escrevo. O motivo dessa escolha está nessa música que é tão longa, mas que consegue contar uma puta história de forma envolvente. Dá o play, filho.

É verdade que às vezes dá uma vontade enorme de ver TV, porque já está tudo mastigadinho e nem precisa fazer muito esforço, mas sempre que tiver um livro em mãos; leia. Te prometo que nunca te negarei três coisas na vida: comida, amor e livros.

Eu tenho uma compulsão que sua mãe deve te falar logo mais; eu não consigo entrar em livraria sem não comprar nada.

Livros tem o poder de nos transportar para qualquer lugar, eles criam universos que impossíveis mas que a gente só lembra que não existem depois que fechamos os livros. Livros são meus grandes companheiros nas viagens que fiz, hoje me pergunto se eu gostava de viajar para poder ler ou ou apenas lia nas viagens. Sua mãe diz que eu gosto de viajar mesmo.

Eles tem o poder de transformar. Tem dois livros que eu li algumas vezes e que mudaram o rumo da minha vida.

Esse moldou minha vontade em viajar de mochila, coisa que fiz desde os 17 anos e uma das razões pelas quais consegui levar sua mãe para o Atacama, Turquia e até para o Egito.

O segundo também que moldou minha vida na questão de gostar de ouvir jazz, de me interessar pelo budismo e também pela vontade em continuar viajando.

Esses aqui são os livros que eu li para você nos últimos dias, na verdade você só vê as figuras e as histórias eu vou inventando, até o momento eu acho que você me pareceu bem interessado e um bom ouvinte.

Update: esse domingo sua avô te trouxe mais alguns livros. Ela, como uma excelente professora de português, fez uma dedicatória para você.

Vovó tem essa habilidade, em poucas palavras consegue dizer muito mais do que eu nesse texto enorme.

Enfim, sempre que quiser viajar eu te garanto que o livro é seu melhor destino sempre.

Um beijo do seu pai,

L.