Vivendo numa bolha dentro do Brasil

Há duas semanas atrás, eu pude acompanhar uma pesquisa etnográfica em São Luis do Maranhão. O público da pesquisa era muito diferente de mim, branca, carioca, privilegiada. Eram famílias de áreas simples do Nordeste, Centro-Oeste e Norte.

Aquelas "poucas" 8 horas de pesquisa foram capazes de transformar a minha percepção sobre a vida. Vocês podem me achar ingênua, mas por mais que eu soubesse, eu nunca tinha percebido o mundo como injusto. Aquele dia eu entendi. Eu senti na pele o que era não ter escolhas.

Aquele dia eu ouvi a rotina de uma mulher consciente e, muito, batalhadora, mas que não teve muitas opções. Ela preferia trabalhar das 18h as 2h e acordar as 4:30h pra poder levar e buscar o filho dela na escola durante o dia. Aliás, preferia não, ela precisava. Aquela senhora levava o filho, esperava 5 horas na porta da escola sem fazer nada e trazia ele de volta. Por quê? Porque era muito caro ir duas vezes por dia até a escola. Ou seja, ela era obrigada a uma qualidade de vida "complicada", porque não podia pagar esse transporte duas vezes ao dia.

Pois bem, voltei de lá, quis chorar. Quantas vezes a gente não reclama de detalhes das nossas vidas e nem entende que a maior parte do Brasil vive em situações precárias, piores que a dela, inclusive?

E aí? E aí a vida acontece, a gente volta pra bolha, prospecta viagens, planeja morar fora, toma café, almoça e janta fora de casa. E aí que aquela sensação que fez doer na pele passa.

Bom, nem um mês depois, eu tenho a oportunidade de ajudar um pouquinho mais. Para além dessa experiência no Maranhão, muitas famílias não têm nem onde morar. E por isso, a partir de hoje, eu me envolvi em um dos projetos do TETO. Pra quem não conhece a ONG, pode clicar aqui. Mas eu preciso de ajuda para viabilizar o projeto. É preciso juntar R$ 7000,00 (sete mil reais) em um mês.

Eu imagino, que assim como eu, muita gente também sinta a urgência de ajudar, mas não saiba por onde começar. Acho que ajudar a construir uma casa para alguém pode ser um belo começo. Então, quem se identificar com a causa pode contribuir com qualquer valor a partir de R$ 5,00 (cinco reais) entrando nesse site aqui.

Isso não é suficiente para resolver a situação que a gente tem hoje no país. Mas pra algumas famílias, dá pra mudar a vida. Obrigada Maria(nome fictício) por me permitir entrar em sua casa, viver a sua rotina e sair um pouco da minha bolha. Vou buscar me manter fora dela.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.