Um alguém real

Não quero alguém que se esconda atrás de ideias previamente determinadas pela sociedade, quero alguém pra debater, rebater e me fazer pensar sobre cada centímetro desse universo. Não quero que sinta medo de julgamentos, mas que fale — mesmo da boca pra fora — tudo o que pensa sem censura. Jamais quero alguém pela metade tentando ser completa comigo, quero alguém de alma inteira pra somar a minha e nunca tentar me subtrair. Não quero limites no amor, no carinho, no cuidado. Quero saber encontrar a paz dentro do caos, saber enxergar o outro como ele é e ser vista da mesma maneira. Preciso de honestidade nua e crua por mais dolorosa que seja, assim como preciso de alguém que me deixe morar em seu abraço nos dias difíceis. Não quero que se esforce pra ter os mesmo gostos que o meu — mas se já tiver tudo bem –, quero ter alguém pra me mostrar livros, filmes, lugares novos. Eu quero alguém que além de tudo me acompanhe desde planos reais até os que meu imaginário decidir querer fazer, nunca alguém que queira aprisionar meu ser e me impedir de alçar voo. Alguém pra traçar um caminho comigo, nunca atrás ou na frente, sempre ao lado. Ver todos os dias na pessoa motivos de orgulho em vez de desgostos. Não tem que ser igual, não tem que ser perfeito e nem muito menos feliz todos os dias, não quero um conto de fadas. Só queria alguém pra ser comigo o que já é sozinha.

Like what you read? Give Maria Eduarda Loureiro a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.