Estabelecendo Metas de Sucesso: 5 Estratégias Alternativas ao Método SMART

Designed by Freepick

Sejam nos seus negócios ou na sua vida pessoal, metas e objetivos te dão algo para trabalhar. Eles empurram você para a frente e te lembram constante do que você deseja e precisa alcançar.

Não é de hoje que pesquisadores e escritores reconhecem a importância das metas. Já no final do século 19, o famoso filantropo americano Elbert Hubbard percebeu que as pessoas não falham por falta de inteligência ou coragem, mas porque não organizam as suas energias em torno de um objetivo.

Diversos estudos científicos, feitos desde a década de 60, provam que metas realmente funcionam, e podem ser a diferença entre você atingir a vida que deseja, ou apenas deixar a vida passar.

Método SMART

De longe, a estratégia mais conhecida para o estabelecimento de metas é o sistema SMART.

Artigo Relacionado: Estabelecendo Metas Inteligentes para uma Vida de Sucesso

Embora existam algumas discussões a respeito do assunto, é comumente aceito que o acrônimo SMART foi descrito pela primeira vez em um artigo publicado em 1981, por George Doran. De acordo com o artigo, toda meta precisa ser específica, mensurável, atribuível, realista e relacionada a uma linha de tempo.

Ao longo dos anos, contudo, surgiram diferentes versões desse sistema, por exemplo trocando a palavra “atribuível” por “atingível”, ou trocando a palavra “realista” por “relevante”.

Métodos Alternativos de Estabelecermos Metas

Mesmo sendo o sistema mais conhecido, é claro também na literatura científica que o método de metas SMART não funciona para todas as pessoas. Por exemplo, no livro “Mais Rápido e Melhor”, o autor Charles Duhigg nos conta a história de como algumas plantas da empresa multinacional General Eletronics (GE) estavam tendo problemas justamente por aplicar o método SMART.

Nesse artigo, meu intuito é fornecer a você 5 estratégias alternativas para definição das suas metas, que eu espero que possam te ajudar até mais do que o sistema SMART.

Então vamos lá!

Estratégia 1 — Os 5 Princípios de Locke e Latham

Teoria de Locke e Latham

No final da década de 60, Drs. Edwin Locke e Gary Latham realizaram diversas pesquisas na tentativa de entender e nos informar quais são as estratégias relacionadas ao estabelecimento de metas que possuem melhores resultados.

Em um artigo publicado em 1968, Locke mostrou que metas claras e com feedback apropriado são capazes de motivar fortemente as pessoas. Além disso, Locke também notou que quanto mais difícil e específica é uma meta, mais as pessoas se esforçam para alcançá-la.

Por exemplo, quando o pesquisador avaliou a diferença entre falar para que uma pessoa “faça o seu melhor”, versus falar “se concentre para bater seu melhor tempo”, a segunda opção teve melhores resultados em 90% dos casos.

Alguns anos depois das conclusões de Locke, Gary Latham desenvolveu seus próprios estudos relacionados ao estabelecimento de metas, e chegou a conclusões muito similares às de Locke.

Então, em 1990, os pesquisadores publicaram juntos o livro “A Theory of Goal Setting & Task Performance”, onde definiram 5 princípios considerados chaves no estabelecimento de boas metas.

Os 5 Princípios de Locke e Latham

Os 5 princípios defendidos pelos pesquisadores são:

1. Clareza

De maneira muito similar às metas específicas no método SMART, quanto mais claras são as suas metas, maior é o seu entendimento do que precisa ser feito, o que se traduz em melhores resultados.

2. Desafio

A meta precisa ser suficientemente difícil e desafiante para que você se sinta motivado para alcançá-la, mas não muito desafiante, de forma que você a considere impossível.

Aqui, vale a pena ressaltar os pontos levantados no artigo “Motivação: Quais são os Fatores Psicológicos que Guiam Nosso Comportamento”, onde eu discuti o grande papel que desafios exercem sobre a nossa motivação.

3. Comprometimento

Se a sua meta depende também de outras pessoas, é necessário que todas elas se comprometam com o objetivo. Para isso, envolva sua equipe no processo de definir bem quais serão as suas metas.

4. Feedback

Para que uma meta seja efetiva, você precisará medi-la de alguma forma, e comparar os seus resultados ao longo do caminho.

Além disso, é importantíssimo que você procure por conselhos de outras pessoas, principalmente se sua meta está relacionada à obter mais clientes ou lançar um novo produto no mercado.

5. Complexidade das Tarefas

Por último, tome cuidado para não estabelecer uma meta com tarefas muito complexas, já que isso pode impactar sua autoestima, produtividade e motivação.

Estratégia 2 — Metas OKRs

O que significa OKRs?

Basicamente, OKR corresponde a uma abreviação de “Objetives and Key Results”, ou “Objetivos e Resultados Chaves”. O conceito foi criado pela Intel, e adotado pelo Google em 1999, quando a empresa tinha menos de um ano de operação.

Utilizando essa estratégia, o Google cresceu dos seus 40 funcionários iniciais para mais de 60 mil empregados hoje em dia.

Além do Google, outras grandes empresas como Dropbox, Uber, LinkedIn e Twitter também utilizam essa mesma metodologia, mostrando que ela pode ser efetiva nos mais diversos nichos de mercado.

Como a estratégia funciona?

A estratégia é extremamente simples, e é resumida por John Doerr (um dos maiores defensores do método) na seguinte estrutura:

Eu vou ____________ medido por _____________.

Ou seja, uma meta no modelo OKRs possui apenas duas partes. Seu objetivo (o que você vai realizar) e seus resultados chaves (o que você estará medindo até atingir a sua meta).

Eu vou (Objetivo) medido por (Resultados Chaves).

Variações do Método OKRs

Ao longo dos anos, outras pessoas criaram variações do método, adicionando alguns detalhes como ações e afazeres, que nos ajudam a definir de maneira mais clara o caminho até nossos resultados chaves.

Imagem adaptada de www.perdoo.com

Estratégia 3 — Metas BSQ

O que significa BSQ?

Em 2014, David Van Rooy (Diretor Internacional de Recursos Humanos do Walmart) utilizou parte do seu livro “Trajectory” para descrever um novo método relacionado ao estabelecimento de metas.

Em sua metodologia, Rooy buscou destilar três grandes afirmações presentes em praticamente todos os artigos científicos relacionados a metas:

  • Uma meta é melhor que nenhuma meta;
  • Uma meta específica é melhor que uma meta ampla;
  • Uma meta difícil é melhor que uma meta fácil.

O resultado dessa análise é o método BSQ, que corresponde a:

  • Big Think — Pense Grande;
  • Act Small — Pequenas Ações;
  • Move Quick — Mova Rápido;

Como o método funciona?

Bom, para começar nós sempre deveríamos pensar grande a respeito das nossas metas, e não nos vendermos por pequenos objetivos. Isso porque quando pensamos pequeno, acabamos alcançando muito menos do que somos capazes.

Em seguida, pense que todas as nossas metas são alcançadas com um conjunto de pequenas ações, que correspondem a uma série de indicadores que atingimos ao longo do caminho. Esses indicadores nos mostram que estamos realmente em direção ao nosso objetivo final.

Ao atingir esses indicadores, criamos um embalo, que aumenta cada vez mais a nossa confiança e faz com que superemos nossos próprios limites.

Por último, o terceiro item correspondente à metodologia é “mova rápido”, que diz respeito a criarmos uma linha do tempo que dirija o caminho que devemos seguir. Isso porque linhas do tempo e prazos comprovadamente aumentam a chance de alcançarmos nossos objetivos.

Estratégia 4 — Metas BHAG

Como quarta estratégia temos algo um pouco diferente das demais estruturas definidas até aqui.

BHAG consiste em um acrônimo para “Big Hairy Audacious Goal”, ou “Grande Meta Audaciosa e Cabeluda”. O método foi descrito pela primeira vez pelos escritores James Collins e Jerry Poras, no livro “Built to Last”, da seguinte forma:

“Uma verdadeira BHAG é clara e atraente, servindo como um ponto focal unificador de esforço, que atua como um catalisador claro para o espírito de equipe. Tem uma linha de chegada clara, para que a organização saiba quando a meta foi atingida. ”

Ao invés de focar no que você pretende alcançar em algumas semanas ou meses, as metas BHAG focam em metas audaciosas de 10–30 anos, que te propelem rumo a um grande sonho.

De acordo com Collins e Poras, alguns exemplos de metas BHAG são:

  • SpaceX: Permitir a exploração humana e colonização de Marte;
  • Microsoft: Um computador em cada mesa e em cada lar;
  • Blackpool FC: Alcançar a liga profissional de futebol da Inglaterra.

Estratégia 5 — Metas Growth Hacker

Por último, a quinta e última estratégia foi divulgada em 2015 pela Anna Kegler, do grupoRJ Metrics. Esse método envolve vários dos passos que já discutimos até aqui, e adiciona alguns passos a mais, vinculados a como alcançar nossos objetivos.

O processo consiste em 6 passos:

Imagem adaptada de Blog RJ Metrics

  • Forme uma hipótese:

Utilize o modelo “Se [Variável], então [Resultado], porque [Análise Racional]”.

  • “Se eu meditar todos os dias de manhã, pelo período de 3 meses, então conseguirei pensar com mais clareza sobre meus objetivos, porque li alguns artigos de meditaçãoe acredito que eles fazem sentido”.

Ou ainda:

  • “Se eu priorizar minhas tarefas utilizando o Método Ivy Lee durante toda essa semana, então conseguirei finalizar a maior parte do trabalho que está atrasado, porque terei maior clareza sobre o que preciso fazer dia a dia.

Ou ainda:

  • “Se eu investir 20% do meu salário todos os meses, pelo período de 1 ano, então conseguirei trocar de carro, porque com uma rentabilidade de 1% ao mês nos meus investimentos e a troca do carro com valor de tabela, já terei dinheiro suficiente”.
  • Selecione alguns resultados chaves:

Como você pretende medir seus resultados? Como já discutimos anteriormente, é extremamente importante que tenhamos alguns indicadores durante nosso progresso, que nos mostrem se estamos ou não indo pelo caminho certo.

Além disso, outro ponto interessante defendido na metodologia é que aqui devemos definir claramente o que chamaremos de sucesso, e o que chamaremos de fracasso.

Usualmente, quando definimos metas, pensamos apenas na definição de sucesso, e sobre como iremos nos sentir ao alcançar nosso objetivo. Contudo, tão importante quanto isso, é também definimos previamente o que chamaremos de fracasso, pois assim conseguimos ter uma visão mais clara do que realmente buscamos, e sobre qual será a hora certa de mudar de estratégia, caso necessário.

  • Estabeleça a Meta:

Qual meta você sente que é desafiante, mas ao mesmo tempo alcançável? Com base nas suas hipóteses e nos resultados chaves que você está esperando, estabeleça uma meta que naturalmente motive você a sair do lugar e fazer as coisas acontecerem.

Além disso, procure não estabelecer muitas metas, já que isso fará com que você perca seu foco. Da mesma forma, procure definir metas que são alcançáveis, e que ajudarão a criar dentro de você um sentimento de sucesso.

  • Execute:

Uma vez que sua meta já está definida, chegou a hora de provar que suas hipóteses eram reais, e que você realmente pode alcançar o que está planejando.

  • Rastreie seu Progresso:

Nesse método, o feedback constante vinculado ao rastreio do seu progresso fará com que multiplique seus esforços, já que a todo momento você estará aprendendo mais sobre o que funciona e sobre o que não funciona.

Além disso, rastrear diariamente seu progresso te dará algumas descargas de dopamina (neurotransmissor vinculado ao prazer), que te ajudará a permanecer focado e comprometido com a estratégia.

  • Socialize e Itere

Por último, e sexto e último passo corresponde a compartilhar seus resultados com outras pessoas, e pedir conselhos sobre o que você deve mudar. Lembre-se que você não precisa encontrar todas as respostas sozinho. Outras pessoas provavelmente já passaram por situações parecidas com você, e podem te dar bons conselhos sobre o que você poder fazer diferente.

Considerações Finais

Com tantas metodologias diferentes para se estabelecer metas, você pode estar se perguntando qual a melhor, ou qual delas obtêm os melhores resultados.

Essa é uma questão complicada, porque depende de diversas variáveis. O meu conselho, portanto, é para que perceba o que mais faz sentido para você em cada metodologia, e combine esses fatores para criar seu próprio método. Quanto mais você se identifica com as diretrizes que criar, melhor será seu entendimento e absorção do conteúdo.

Em seguida, deixe nos comentários logo abaixo qual dos modelos mais agregou seu entendimento de metas. Eu vou adorar aprender com as suas respostas!


Sem tempo para o que mais importa? Receba nosso mini-curso gratuito, com 7 técnicas Essenciais de Produtividade Pessoal, e comece a trabalhar de maneira mais inteligente a partir de hoje!!

Esse post apareceu originalmente em lpprodutividade.com.br