Sem esperança, muito forte,

Parecia um alto e baixo de você mesma,

uma roda gigante sem esperança de pular fora, uma montanha russa que não para,

os hábitos, as formas, todos cansados de viver,

sinto uma reclamação calada de todos que me olham, um alerta,

o seu olho esta nas costas, depois não reclame do passarinho,

cotidiano que me afeta, me transpassa, como viver dentro de um ciclo sem fim?

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Luiza Ramos’s story.