Um Carnaval para abafar o caos brasileiro

Hoje, quando acordei e olhei pela janela, vi as ruas vazias, os prédios quietos, nenhuma fumaça, nenhum sinal de vida. Foi então que eu percebi que o mundo que eu conhecia havia acabado, pois, com toda a certeza, os zumbis finalmente dominaram o mundo (o que um pouco de The Walking Dead não faz com a gente, não é mesmo?)

Um deserto coberto de vidas cansadas (fonte: http://mw2.google.com/mw-panoramio/photos/medium/129828875.jpg)

Mas, então, um carro passou, e logo em seguida uma moto, e foi quando eu percebi que não eram zumbis, até porque eles não sabem dirigir moto. Era dia de Carnaval, a alegria dos brasileiros. Dos brasileiros que não existem, como li em um texto maravilhoso, ontem.

Ah, Carnaval, como você é querido por aqui e acolá. Mas não pense que é assim só por ser uma parte da cultura brasileira, ou porque é uma festa linda e encantadora. Talvez até seja, mas você é tão especial por um motivo que está cravado no subconsciente de cada um: Você é um jeito legal de se afastar da realidade brasileña. Não o tipo de legal que carrega o bacana como sinônimo. O legal do tipo que esta expresso na maioria das Leis municipais das cidades do Brasil. Um modo para esquecer os 12 milhões de desempregados existentes, ou como diz o Senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO), os 22 milhões de desempregados (esse novo cálculo não leva em consideração só os desempregados, mas também todos os trabalhadores subocupados e os inativos com potencial opara trabalhar); um modo para esquecer a crise política, ética, penitenciária, econômica, e todas as outras crises que o quinto maior país do globo terrestre enfrenta.

Quem sabe nós fazemos o Carnaval para que os outros vejam algo além da “desgraça” que assola o Brasil? (fonte: http://www.municipiosbaianos.com.br/painel/noticias/imagens/fotos/A%20CHARGE%20DA%20OPOSI%C3%87%C3%83O%20AO%20GOVERNO%20RUI.jpg )

Não pensem que eu sou uma chata de plantão que odeia o Carnaval. Pelo contrário, eu sei o quanto ele é essencial para a nossa cultura e de tantas outras culturas do mundo afora, afinal, o Carnaval virou uma celebração do calendário cristão, e como a fé cristã se espalhou pelo mundo inteiro (de forma bem cruel) vários países curtem essa festa de maneiras diferentes. E também sei o quando o Estado brasileiro pretende lucrar com isso, e realmente espero que lucre, mas seria hipocrisia fingir não saber o porquê dessa festa ter viralizado desse jeito e nessa rapidez.

As vezes, todos nós merecemos um descanso, um break dessa situação tão desgastante. Mas temos de lembrar que ao mesmo tempo que os cidadãos curtem essa e outras festas, os Poderosos Chefões estão mexendo nas peças desse complexo jogo de xadrez, como quando aprovaram o pacote anticorrupção na Câmara, todo alterado, de madrugada, no momento em que o Brasil sofria uma perda grande com a queda do avião que levava o time da Chapecoense, alguns jornalistas, e claro, as pessoas necessárias para que um voo possa decolar.

Lembrem-se: Eles não param enquanto nós paramos, então temos que começar a observar se realmente vale a pena sair tantas vezes dessa realidade, pois, durante o tempo que nós damos uma leve interrompida no jogo para respirar com dificuldade, eles avançam os peões sem dó e sem compaixão.

(fonte: http://cultura.culturamix.com/blog/wp-content/gallery/Pol%C3%ADticos-e-Fun%C3%A7%C3%B5es-no-Brasil-2/Pol%C3%ADticos-e-Fun%C3%A7%C3%B5es-no-Brasil-3.jpeg )