doces lágrimas de chuva que entristecem o pássaro azul

o céu é longe
longe demais para suportar
quando desabar
e o tempo o mantém são
e você me tem
insana
prestes a escalar o mundo 
e beber das lagrimas que não caíram
derrubar o azul e tomar posse da terra de ninguém
nem deus, nem tu
só eu.

vivendo longe.
no distante do céu não há quem ou onde.
não há padecer e lamúria
é espaço. nulo.
acontece e desdobra
murcha e fim.
sou ave, no céu
que pia baixinho a canção do fim (do mundo?)
com asas brancas de nuvem.

o céu é longe, o tempo vão
e não resta nada.
azul. nuvens. deus. acabou-se
silêncio sagrado das asas de pássaro
(um suspiro)
e o céu chora as lágrimas
de ninguém

Show your support

Clapping shows how much you appreciated leticia’s story.