Cara aberta a todos os meus crushes

Caneta tinteiro em cima de uma carta escrita a mão

Caro crush,

Talvez você não saiba que eu tenha te chamado assim alguma vez, talvez nem saiba da minha existência ou simplesmente passei despercebida, mas eu queria te pedir desculpas.

É isso mesmo, pedir desculpas, eu tenho feito muito isso ultimamente, mas pelos motivos errados e não o suficiente para aquilo que realmente importa. Eu peço desculpas a você sim! Desculpa por ter te culpado pelas minhas decepções, que na verdade eram todas minhas.

Desculpa por ter te usado de pretexto para afirmar que realmente ninguém me amava e me queria. Você foi muitas vezes argumentos da minha tristeza que na verdade tinham tantas coisas envolvidas e a principal não era você e sim minhas inseguranças, meus defeitos que eu insistia em achar que eram o motivo de ter recusado meu afeto, sendo que na verdade eu nem conseguia falar com você muitas vezes.

Desculpa por ter te usado como desculpa para não acreditar mais no amor. A culpa não é sua, na verdade, eu nunca deixei de acreditar no amor, grande parte disso era só eu alimanetando a minha “sofrência” e um pretexto para fazer brigadeiro de colher.

Sabe, crush, eu muitas vezes te usei de desculpa para ficar sofrendo, porque aparentemente isso é “cool” hoje em dia; quanto mais você sofre por amor, mais engraçado é e você se torna merecedor da compaixão alheia, afinal, o rejeitado é sempre a vítima, não?

Provavelmente, querido crush, você nem tinha conhecimento de tudo isso, mas eu precisava te pedir perdão, porque apensar de muitas vezes você ter sido babaca, egocêntrico e tudo mais (e alguns para quem escrevo realmente foram), muitas das vezes eu só não era o seu tipo, ou você só me via como amiga mesmo, ou não era o momento. Não posso te culpar por não sentir o que sentia, afinal, não da para forçar o sentimento por alguém.

Espero que essa carta chegue a você e que você se encontre feliz ao lê-la, sabendo que esta tudo bem entre nós.

Atenciosamente,
A menina que gostou de você.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.