O amor é um ser mítico da Noruega

Eu não sei falar de amor. Cheguei à essa conclusão hoje à tarde. Ou será que foi ontem? Não sei. Só sei que tinha um papel em branco na minha frente e a minha incrível incapacidade de escrever o que quer que fosse nele.

Invejo como para alguns isso é tão fácil, enquanto para mim é quase um parto. É preciso assumir uma postura: ou ele é tudo para você ou ele não existe. Eu creio que faça parte do grupo de pessoas que acreditam no amor. Pelo menos eu tento. Mas confesso que ainda tô aprendendo sobre essa coisa toda.

Falar de amor é como falar de uma criatura mítica da Noruega, ou você nunca viu e apenas tem uma ideia de como seja, ou realmente viu e acha que a sua opinião é a única correta.

O amor anda meio desvalorizado hoje em dia. Mas acho que isso, como tudo no mundo, é culpa das pessoas. É uma mania de não saber ficar só, a primeira pessoa que vê pela frente já acha que é amor… mas que propriedade tenho eu para falar do assunto? Eu que nem sei se sei o que amar significa. “Falar é fácil”, tô ligada! Mas amar… essa é realmente a parte complicada.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.