20–09–16

Sobre os olhos castanhos mais marcantes que ja vi

Já faz um dia que nos vemos, precisava escrever, precisava colocar em ordem essa bagunça que tá meus pensamentos, e a maioria deles envolvem você, eu que achava que não tinha como eu me bagunçar mais, tava errada.

Teus olhos parecem que me prenderam, me tomaram de uma forma que não foi sútil, mal consigo digerir isso, tem um turbilhão de sentimentos, emoções, sensações correndo nas minhas veias e acelerando meu coração desde que eu parti de lá. Confesso que temo por mim.

Eu que achava que não iria me interessar por mais ninguém, vem você e me mostra novamente que eu estou errada, e feio. Mas que culpa você tem? Você não sabia no que estava se metendo, nem eu. Temo porque sei que agora não consigo ter controle sobre o que não posso fazer, e isso é demasiadamente errado.

Eu que nunca fui de viver por medidas, nunca fui de ter limites como vou quere poder ter agora com você? Tarefa que exige mais de mim do que pensei. Tenho medo de te magoar, tenho medo de me magoar, tenho medo de magoar ele.

Minha saúde mental nesse momento tá pedindo socorro, porque sabe na enrascada que tou. Eu quero com todo meu coração te conhecer melhor, completamente, minha mente quer fervorosamente que eu fuja disso, outro problema é que nunca fui racional também.

Viver cada dia, como tenho sofrido por isso…

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.