Fragmentos de mais um blog falido #19

Em Busca da Redenção Glútea

Hoje eu estava andando na rua, quando, de repente, encontrei com um velho conhecido. Não alguém que morou na mesma vizinhança que eu e se mudou, ou um colega de colégio, mas algo que comigo sempre teve uma relação mais profunda e próxima, e que hoje está um pouco distante, mas ocasionalmente ainda encontro. Esse alguém, é o esgoto.

Quando eu era criança, meus pais se mudaram bastante, chegamos a morar em três casas antes de nos fixarmos em uma que ficou apelidada de “A Casa Rosa”, devido a sua cor externa, que na verdade, era bem mais próxima ao salmão. Não sei os motivos para meus pais se mudarem tanto, se eram maus inquilinos, ou sei lá, afinal, eu era muito pequeno, mas com certeza, o casamento perturbado dos dois foi motivo para pelo menos a mudança para A Casa Rosa.

Na época, morávamos num sobrado, nos fundos da casa de minha avó materna, construído especialmente para nós, depois de minha mãe engravidar pela segunda vez. Mas, por inúmeras coisas que não valem a pena listar aqui, pois seria encheção de linguiça, que incomodavam meu pai e algumas brigas que ele tivera com minha mãe, passaram um breve período separados, onde meu pai voltou para casa de minha avó paterna. Não lembro bem desse período, mas lembro do dia da mudança para A Casa Rosa. A casa, que ficava a poucos metros da casa de minha avó paterna, foi uma das imposições de meu pai para que ambos voltassem a ficar juntos, pois não gostava como minha avó materna acabava entrando no meio da vida de ambos. Prefiro crer que ele foi inocente ao pensar que minha avó paterna não iria.

Essa casa é onde tenho a maior parte das minhas memórias da infância. Ela tinha um tamanho bom. Nada muito apertado, mas nada de salões enormes também. Possuía um bom quintal, por onde eu costumava correr e atirar de estilingue em latinhas de cerveja dos churrascos passados de meu pai, que nessa época, fazia questão de sempre ter gente lá em casa. Embora a casa fosse espacialmente perfeita e suprisse toda as necessidades de nossa família na época, ela possuía alguns problemas, descobertos com o tempo, por exemplo, as mamoneiras que cresciam nos fundos, onde estendíamos as roupas, as infiltrações que surgiram nas paredes, e talvez, o mais insalubre fosse o vazamento da caixa de gordura.

De tempos em tempos, mais ou menos mensalmente, as vezes demorando um pouquinho mais, a caixa de gordura daquela casa por algum motivo que minha mente infantil não compreendia, e que mal sabia o que era uma caixa de gordura, transbordava. Até hoje me surpreende tamanho entupimento, que possuía tanta força, que rompeu a tampa de concreto que a tapava, e que meu pai, após reparar que isso poderia ser constante, não se deu trabalho de concretar novamente, visto que iria acabar arrebentando, e ele, tendo que limpar a caixa de gordura mais uma vez.

A caixa de gordura ficava a uns dois metros da janela do quarto que eu dividia com a minha irmã, e quase em frente à janela do escritório do meu pai, dois ambientes que eu sempre estava presente, e então, aquele cheiro nefasto e pútrido foi, aos poucos, tornando-se corriqueiro e sendo mais um traço de minha personalidade, tal qual O Cheiro do Ralo, que tornava-se cada vez mais incômodo a Lourenço, até que ele resolve o problema e torna-se necessário sentir aquele cheiro mais uma vez, evidenciando a perversidade de seu caráter.

Hoje, na rua, vi uma tampa de esgoto transbordando, com algum entupimento. bem similar à caixa de gordura. Diminuí a velocidade de meus passos, até por que, havia uma senhora na minha frente, e dei, enquanto estava próximo, uma longa e profunda respirada, enchendo meus pulmões ao máximo que podia daquele odor funéreo, como que na esperança de que ele retirasse todo o negro de meus pulmões trazidos pelo fumo, e substituísse por chorume. A velhinha finalmente passou, desviando da água preta, e eu, num despertar rápido, expirei todo aquele ar, como alguém que deu um abraço apertado em um amigo que não via a muito, mas que precisava ir trabalhar, e continuei meu caminho.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.