Fragmentos de mais um blog falido #24

Eu aceito a nata e tudo que vier com ela.

Acho que eu estaria mentindo se eu dissesse que eu não gostaria de ser reconhecido pelo que faço, assim como qualquer outra pessoa está quando diz que faz algo sem pretensão alguma. Entretanto, as vezes, no meio de cada sonho sobre fazer músicas legais com pessoas legais em lugares legais, bate-me certo desespero de onde tudo isso acabará chegando. Pois bem, vamos à introdução de alguma referência para desenvolver esse texto, pois parece que é assim que funcionam as coisas nesse blog, não é mesmo?

Esse é o Neutral Milk Hotel. Talvez o maior conjunto de pessoas esquisitas que tiram fotos esquisitas (e que fez algum sucesso) que eu já vi. No fundo, todos são bem normais, só possuem as particularidades e individualidades de cada um deles, mas o que me chama sempre a atenção, é como todos eles são (visivelmente) figuras que estariam a parte de algum grupo maior. Nenhum deles é particularmente bonito. Nenhum deles se veste consideravelmente bem, nenhum deles possuem quaisquer traços físicos que chamam a atenção. Eles são somente eles, e talvez isso que chame mais a atenção nas músicas. Para isso, vamos focar na figura que segura o anjo.

Esse é Jeff Mangum, o principal compositor e talvez, possamos assim dizer, a grande mente por trás da banda. Embora todos eles já haviam colaborado em diversos projetos de diversas maneiras, tocando diversos instrumentos, Neutral Milk Hotel será sempre, de forma última, o meio de expressão criado por Jeff Mangum. E talvez, essa seja a sua maior tormenta.

Pelo pouco que sei, Jeff não esperava que sua banda se tornasse um fenômeno tão grande, e sempre achou que no máximo ele seria um daqueles heróis do underground, e pra ele, isso era fenomenal. O problema é que, aparentemente, conforme a banda fora crescendo e se desenvolvendo, cada vez mais as pessoas possuíam interesse por eles, e a curiosidade humana é uma merda. Após lançarem a obra prima deles, que inclusive talvez seja o maior resumo do que foi o indie rock americano da década de noventa, fizeram uma turnê e se separaram. Mas as condições foram estranhas. A banda nunca oficialmente acabou. Eles só pararam de fazer shows, e Jeff, se tornou cada vez mais recluso, com medo de todas as pessoas que achavam que o conheciam e queriam que ele desse intrínsecos detalhes sobre suas letras, e consequentemente, sobre ele.

Jeff se afastou dos palcos, somente tendo retornado a alguns anos atrás, ainda assim com grandes ressalvas, sendo conhecido por ficar extremamente incomodado quando vê pessoas na platéia gravando-o, e desde o lançamento de In The Aeroplane Over The Sea, em 1998, ele não lança nada novo, senão gravações antigas, do período que o Neutral Milk Hotel ainda estava a todo vapor.

As vezes tenho medo de que, assim como para Jeff, todo esse sonho de fazer músicas acabe se tornando um pesadelo. Eu só quero fazer músicas, e um pouco de atenção de algumas pessoas para ouvirem-las. Talvez eu só esteja me doendo por algo que nunca acontecerá de fato, e somente permanecerá em meus sonhos regados de leite cheio de gordura.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.