Tristeza não tem fim; felicidade, sim

Desde que eu me lembro estive só e até agora nada mudou passaram pessoas das quais guardo recordações ficaram pessoas com as quais me habituei a conviver com certa complacência eu sempre fui solícito à dor afinal eu a vivo gostaria que de vez em quando alguém se preocupasse em me entender só que isso nunca acontece e quando digo nunca é nunca mesmo sequer um vai se abre. Que quê tá pegando. É sempre mais fácil deixar que alguém que está sofrendo se resolva por si ou melhor ele tem amigos mais próximos eu não tenho o que fazer aqui era bem mais fácil quando eu resolvia tudo sozinho mas não tem mais dado sinto que preciso de mais só não dá pra implorar né é que talvez a gente tenha nascido pra sofrer eu não sei como se sentem as outras pessoas e tô correndo o risco de estar aqui falando de algo que pode soar como ah a classe média sofre e sofre mesmo isso tá longe de ser piada e talvez você pense também que eu não preciso de ajuda ou talvez você nem ligue pra mim ora essa quem ligaria gostar de alguém só se for e pensar igual a mim do contrário pode jogar na parede e tacar pedra esse não é dos meus filho da puta vacilão tem que morrer mesmo e de depressão que é doença de rico se é que isso existe mesmo ninguém liga pras pessoas essa é a real elas fingem se importar mas é só pra parecerem melhores diante das outras e só não há quem se importe com o errado com o avesso massagem de ego é o objetivo a ser cultuado não importa o que aconteça e as coisas avançam da política à cama é um filho da puta as pessoas aquela massa amorfa e nunca representante de nós mesmos dizem e não esqueça das vírgulas senão fica tudo muito confuso cê já parou pra pensar que louco seria se alguém precisasse de ajudar?

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Lucas Arieh Medina’s story.