Sempre recordaremos, a campeã Chapecoense!

Há dois anos, no dia 29 de novembro de 2016, aconteceu uma das maiores tragédias da história do futebol mundial. Eu estava indo para a cama, quando de repente, li tweets informando sobre a queda de um avião com os jogadores da Chapecoense dentro. Não acreditei e fui dormir.

Era dia de prova, me arrumo para ir a aula, mas antes fui ver meu twitter como de costume e vejo que era real. Sim, o avião que transportava a equipe catarinense havia caído em Medellín, na Colômbia. Incrédulo, tentei entender a dimensão do ocorrido, mas não dava. As informações de inúmeros portais não batiam, era um desencontro. Fui para a escola na esperança de que não fosse nada demais. Voltei, abri meu Whatsapp e vi todos lamentando o ocorrido. Estava confirmando que poucos sobreviveram. Eu chorei e choro só de lembrar. Mas havia uma esperança, uma luz no fim do túnel, o goleiro Danilo estava vivo!

Mas não, não estava. Por um momento eu comemorei naquele dia trágico, mas durou pouco. Foi confirmada sua morte logo depois. 71 vidas se foram, 71 pessoas do bem que estavam fazendo seu trabalho. Estavam perto de se consagrarem campeões em uma competição inédita do clube, mas a vida é injusta. Muitos lamentam pelo Danilo ter defendido aquela bola no último minutos que se entrasse tiraria a Chapecoense da final, mas eu não. Não acabem com a magia do último lance de cada um, que os colocaram aonde todos sonharam ao invés de culpar o verdadeiro criminoso.

Se você acha que vamos esquecer isso, estão literalmente enganados. Eu vi de perto o drama, eu vi a comoção, e eu chorei junto. O mundo inteiro foi verde e branco nesse dia. A união, a paz e a esperança são os principais aprendizados que podemos tirar como lição. Eu só tenho que agradecer às 71 pessoas por terem proporcionado o seu melhor. Seja jogando, seja narrando, seja comentando, seja passando informação, seja filmando, vocês foram especiais! Para sempre serão lembrados!