Nostalgia

Semana passada me senti nostálgico. Fui atrás de músicas que não ouvia a alguns anos, reli um livro, fui atrás de antigos trabalhos de escola, procurei por conversas no Facebook. Não sabia o que buscava, mas queria reviver uma época que me fazia falta.

Quando me indaguei porque estava fazendo isso, a única resposta que me veio em mente era que o passado era melhor do que o presente. Não acho que essa resposta esteja certa. Também não acho que o presente seja melhor que o passado, mas o fato é que lembrar de problemas passados é melhor que enfrentar problemas presentes. Bem melhor.

Essa nostalgia não se baseava em anos, ou num período extenso como a infância. Ela se concentrava exatamente em um ano específico, um ano em que tudo aconteceu.

Nesse ano aprendi o que é realmente amar, senti pela primeira vez o que é estar perdido, senti como é não ser correspondido. Senti.

Foi bom?

-Não. Não foi.

Se eu queria de novo?

-Com certeza.

Você estava lá, e os problemas não pareciam grande coisa, passavam rápido, e não me torturavam.

Sem você aqui, eles torturam.

Sei que você segue sua vida, mas apenas consigo te ver naquela época, daquele jeito. Te preservei no tempo.

Talvez não seja tão bom se as coisas acontecerem hoje, talvez seja.

Não era nostalgia pelo passado, mas por você.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Pedro Prado’s story.