estes éramos nós. uma pintura de Caspar David.

porquês

moça, eu amei você. eu não amei na verdade. eu ainda amo. sabe o que eu planejei pra gente? planejei vários passeios numa praia deserta ao anoitecer. planejei encontros com a paz em templos budistas na Ásia. planejei que adotássemos uma criança, que juntássemos forças para fazer do Mundo um lugar melhor. planejei arrancar risadas da sua alma, arrancar prazer do seu corpo, porque tudo o que eu mais quis foi ver você feliz. então ok se você recusasse tudo o que eu propus pra gente.
mas eu me pergunto o porquê pra tudo isso que você cometeu comigo. por que você me torturou? por que você me deixou sozinho quando eu mais precisei de você? eu estive lá quando você precisou de mim. por que você insistiu em me destruir pedaço por pedaço só por que você achava que eu iria interferir na sua melhora? eu sempre quis complementar, nunca atrapalhar. mas você me disse coisas horríveis. você rasgou os nossos laços e me substituiu como se eu não fosse nada. meus sentimentos inexistiam pra você. você não se colocou no meu lugar e acabou comigo, por seis meses ininterruptos. e além do mais, eu menti pra te ver melhor. pra não te fazer sentir culpada. menti, e você usou da sua falta de reconhecimento pra me assassinar.
por quê?
por quê?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.